26°
Máx
19°
Min

Depois da Lava Jato, Camargo Corrêa troca comando e 3ª geração assume

Depois de dez anos à frente do conglomerado Camargo Corrêa, Vitor Hallack deixará a presidência do conselho de administração da holding do grupo. Ainda não há um substituto para o cargo. A companhia busca uma mudança nos rumos de seus negócios e caminha para se tornar uma holding de investimentos.

Sob o comando de Hallack, a construtora - fundada em 1939 por Sebastião Camargo, que deu início ao império da família - foi a primeira a admitir participação nos esquemas de cartel e propina na Petrobras e no setor elétrico e a fechar um dos maiores acordos de leniência do País com o Ministério Público e com o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), no qual pagou R$ 804 milhões, por causa de seu envolvimento na Lava Jato, operação que investiga corrupção na Petrobras. Agora tenta virar a página. O executivo também coordenou importantes processos de expansão do grupo.

Em comunicado, a companhia afirmou que está intensificando "a transição para um novo modelo de governança corporativa com foco prioritário na gestão de portfólio de investimentos com ótica de longo prazo e fortalecimento da atuação em sistema colegiado".

O processo que está transformando o conglomerado de empresas da Camargo Corrêa numa holding de investimentos começou há pouco mais de um ano, quando as três filhas e genros do empresário Sebastião Camargo passaram o comando dos negócios à terceira geração da família, que está no conselho de administração. O conselho, que era presidido por Hallack, é composto por três netos de Sebastião Camargo, pelos maridos de duas de suas netas e por um executivo de confiança da família.

"A integração da terceira geração ao comando da holding é o caminho natural e resultado de um planejamento de longo prazo. Tenho confiança de que a Camargo Corrêa seguirá trilhando um caminho de renovado sucesso", afirmou Hallack, em nota.

No novo modelo que está sendo construído pelos herdeiros da família, há pouco espaço para apego a empresas e negócios, que podem ser passados para a frente diante de boas propostas. O caso mais recente foi da participação de 23% da Camargo na CPFL, que foi negociada para o grupo chinês State Grid, por R$ 5,85 bilhões. Um cheque alto e irrecusável, diante dessa nova fase do grupo.

No fim do ano passado, o conglomerado também já tinha se desfeito da Alpargatas. O grupo vendeu por R$ 2,7 bilhões a dona da marca Havaianas para a holding J&F, da família Batista. Esses recursos deram um colchão de liquidez para empresa, ajudando a abater parte de seu pesado endividamento.

O grupo também tinha saído em busca de um investidor, no fim do primeiro semestre de 2015, para sua divisão de cimentos, que representa 42,5% de seu faturamento - em 2015 a receita líquida foi de R$ 21,4 bilhões.

Com pesadas dívidas, a Camargo tentou vender uma participação minoritária da empresa, com o objetivo de levantar 1 bilhão de euros que seriam usados para abater dívidas. Houve propostas do exterior, mas nenhuma chegou ao valor que o grupo queria, apurou a reportagem. Chegou-se a cogitar abrir mão do controle para atrair um acionista internacional, mas essa ideia está suspensa, por enquanto.

Mudança de rumo

Depois dos envolvimentos nas operações Lava Jato e na Castelo de Areia, a família passou a discutir a saída do setor de construção, principalmente das obras públicas. Ainda não há consenso, mas a proposta do momento é reduzir o tamanho da construtora e concentrar sua atuação em obras privadas. A construtora passa também por mudanças de gestão. O executivo Artur Coutinho deixa o cargo e passa o bastão para Décio Amaral, a partir de 1º de setembro.

O conglomerado tem em suas mãos negócios uma participação na CCR, concessionária de rodovias, considerada "joia da coroa" e que não está à venda, segundo fontes.

Segundo fontes ouvidas pelo reportagem, a família quer se desvincular dos recentes escândalos e tem estimulado internamente programas de denúncias anônimas contra corrupção.

Redução de tamanho

Após se tornar o primeiro grupo a fazer acordo de leniência dentro da Operação Lava Jato, a Camargo Corrêa se desfez, em um período de oito meses, de dois de seus mais importantes ativos: em novembro do ano passado, a companhia vendeu sua fatia na Alpargatas, dona da Havaianas, repassada ao grupo brasileiro J&F Investimentos, dona da Friboi. No início de julho, a companhia se desfez de sua participação de 23% na CPFL Energia, que ficou nas mãos de outra gigante, a chinesa State Grid.

A Alpargatas, negócio que atraiu a atenção de pelo menos uma dezena de interessados, foi vendida a toque de caixa para a J&F, após esse grupo ter apresentado uma oferta superior às das demais interessadas. O negócio reforçou o caixa da Camargo em quase R$ 2,7 bilhões. Com o acordo, o J&F passou a ser o controlador da Alpargatas, com 44,12% da companhia e 66,99% das ações ordinárias.

Já a venda da fatia da CPFL Energia foi avaliada em cerca de R$ 6 bilhões (ou R$ 25 por ação). Com a aquisição, o grupo chinês, que já é a maior companhia de energia elétrica do mundo, entrou no mercado de distribuição e geração de elétrica no Brasil.

Ao ficar com a fatia da Camargo, a State Grid passará a fazer parte do bloco de controle da CPFL, que tem como acionistas os fundos de pensão Previ (do Banco do Brasil) e outros fundos reunidos na Bonaire Participações - Petros (da Petrobras), Fundação Cesp, Sistel e Sabesprev.