22°
Máx
14°
Min

Diferença entre tarifas de bancos chega a 447,50%, diz pesquisa do Procon-SP

Não pesquisar preços, inclusive nos serviços bancários, é uma atitude que pode sair cara ao consumidor. Pesquisa do Procon-SP revelou que a diferença de valores cobrados nas tarifas bancárias pode chegar a 447,50%.

No serviço "Pagamento de contas utilizando a função crédito do cartão", o preço varia de R$ 4 (Banco do Brasil) a R$ 21 (Santander). A diferença pode parecer pouco quando vista individualmente, mas um consumidor que utilize o serviço uma vez por mês gastaria R$ 48 em um banco e R$ 252, em outro, uma diferença de R$ 200.

A pesquisa analisou e comparou serviços prioritários e pacotes padronizados de sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

Na comparação entre 2015 e 2016, a maior variação encontrada foi de 198,25% no serviço "Depósito Identificado" no Banco do Brasil. Em junho do ano passado, o custo deste serviço era de R$ 2,85, enquanto neste ano é de R$ 8,50.

Na comparação entre os bancos, a maior diferença foi encontrada no Pacote Padronizado IV. O menor valor cobrado é de R$ 25,50 no HSBC, enquanto que no Itaú o mesmo pacote custa R$ 36 (41,18% mais caro).

Os bancos são obrigados a oferecer quatro tipos de pacotes de serviços padronizados pelo Banco Central no intuito de facilitar a comparação de preços por parte dos consumidores.

Três dicas ao usar o serviço bancário:

1 - Serviços gratuitos

O Procon lembra que o Banco Central também estabelece uma lista de serviços gratuitos. Fazer até quatro saques por mês, por exemplo, é de graça.

2. Verifique os descontos

Caso quiser contratar um pacote, o consumidor deve verificar se os serviços inclusos atendem à sua necessidade. Também vale conversar com o gerente para ver se a instituição financeira oferece algum desconto no pacote em função do relacionamento com o banco.

3. Pesquise preços pela internet

Na comparação de preços, além do sites dos bancos, é possível checar o site da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) que já reúne as tarifas de todas as instituições.