24°
Máx
17°
Min

Dólar e IBC-Br levam a abertura dos juros em alta, mas política pode mudar quadro

Os juros futuros abriram em alta nesta sexta-feira, 22, seguindo a tendência de valorização do dólar ante o real. Além disso, o resultado do Índice de Atividade do Banco Central (IBC-Br) melhor do que o esperado também dá força para as taxas. De qualquer forma, o noticiário político ao longo do dia pode trazer volatilidade.

Às 9h07, a taxa do DI para janeiro de 2018 estava em 12,81%, de 12,76% no ajuste de quarta-feira, 20. O DI para janeiro de 2019 indicava 12,82%, ante 12,78% na sessão anterior. E o contrato para janeiro de 2021 projetava 12,94%, de 12,88%.

Enquanto a presidente Dilma Rousseff está em Nova York e pretende denunciar na Organização das Nações Unidas (ONU) o "golpe" do qual está sendo vítima, Michel Temer já realiza uma contraofensiva com entrevistas para jornais estrangeiros. O NYT publicou uma entrevista com ele na qual o peemedebista nega ilegalidades no processo de impeachment da petista e afirma que esteve em "ostracismo absoluto" nos últimos quatro anos.

Segundo Temer, ele e Dilma mal se cumprimentam e a última vez que se falaram foi em janeiro. "Nós não somos amigos porque ela não se considerava minha amiga."

Na agenda econômica, o BC divulgou que o IBC-Br de fevereiro caiu 0,29% anta janeiro, na série com ajuste sazonal. Na comparação com fevereiro do ano passado, houve retração de 4,54%. Os resultados vieram melhores que as medianas das previsões dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, de -0,50% no mês e -5,00% no ano.

Já o Caged de março, que será divulgado às 15 horas, deve mostrar corte entre 65.000 e 167.789 vagas, com a mediana apontando fechamento de 95.000 postos, sem ajuste sazonal, segundo pesquisa do AE Projeções.

Na quarta-feira, as taxas fecharam com leve viés de baixa, com investidores reagindo ao novo adiamento da decisão do STF sobre a posse do ex-presidente Lula como ministro-chefe da Casa Civil. A redução de prêmios na curva ocorreu mesmo com o resultado do IPCA-15 de abril, que marcou 0,51% e veio acima da mediana das projeções, de 0,47%.