23°
Máx
12°
Min

Dólar fecha em leve queda, após manhã instável, com expectativas sobre Copom

A ansiedade do mercado em torno da maneira de pensar do novo Comitê de Política Monetária (Copom), presidido agora por Ilan Goldfajn, manteve o dólar perto da estabilidade durante grande parte da tarde desta quarta-feira, 20, fechando em leve queda ante o real. Embora o mercado tenha trabalhado com o consenso de que o Banco Central manteria a Selic inalterada, em 14,25% ao ano - o que de fato ocorreu neste início de noite -, os agentes financeiros aguardavam sinais no comunicado de hoje sobre como será a atuação da autarquia no futuro. Essa expectativa na segunda parte do pregão superou a instabilidade, observada pela manhã, quando os movimentos se dividiam entre influência externa e otimismo doméstico.

No balcão, o dólar à vista fechou aos R$ 3,2473, em queda de 0,30%. De acordo com informações registradas na clearing da BM&F Bovespa, o volume total de negócios somou US$ 1,518 bilhão. No mercado futuro, o contrato de dólar para agosto terminou com alta de 0,21%, aos R$ 3,2680, com giro de US$ 10,455 bilhões.

A moeda norte-americana abriu em queda de 0,18%, aos R$ 3,2514, ainda ecoando os relatórios de ontem do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Instituto Internacional de Finanças (IIF), que melhoraram a expectativa sobre a economia brasileira para 2017, disse Jefferson Rugik, diretor da Correparti. Com a venda integral de US$ 500 milhões em swap reverso (que equivale a uma compra de moeda pelo Banco Central) e o viés de alta do dólar no exterior, com discussões sobre alta de juros nos EUA, a moeda ante o real passou a subir e atingiu a máxima intraday, aos R$ 3,2627 (+0,17%), às 9h47.

Esse nível de preço atraiu vendas e as cotações cederam depois até uma mínima intraday de R$ 3,2392 (-0,55%) pouco depois do meio-dia. "Como o viés foi de alta do dólar no exterior, o mercado aproveitou o recuo de preço ao nível de R$ 3,23 pela manhã para comprar em meio à proximidade do término da reunião do Copom", disse o operador José Carlos Amado, da Spinelli Corretora.

Após a manhã instável, o dólar no mercado à vista passou a operar bem perto da estabilidade durante a tarde, de olho na decisão do Copom. "Os investidores preferiram segurar o capital até terem mais clareza sobre a maneira de atuar do BC, para decidir, depois, sobre uma posição no mercado", afirmou o diretor de operações da FN Capital, Paulo Figueiredo.

Para o diretor da consultoria Wagner Investimentos, José Faria Júnior, a divisa norte-americana pode recuar amanhã, se o Copom mostrar um discurso mais duro sobre corte de juros. Esse enfraquecimento do dólar também poderá ser alimentado no caso de um resultado fraco do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15). De acordo com pesquisa do Broadcast Projeções, com 55 instituições, o IPCA-15 de julho deve registrar alta de 0,39% a 0,56%, com mediana de 0,45%.

Já na agenda internacional, o câmbio deve reagir à primeira decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), após os britânicos optarem por abandonar a União Europeia. Diante da expectativa de aumento de liquidez internacional, sustentada também por promessas no Japão, a perspectiva é de atração de recursos estrangeiros para a bolsa e a renda fixa do Brasil, de acordo com o operador da Spinelli. "A queda do risco Brasil tende a favorecer também novas captações de empresas no exterior", acrescentou.