28°
Máx
17°
Min

Dólar recua a R$ 3,30 no mercado à vista com alívio na política e exterior

O dólar recuou ao nível de R$ 3,30 no mercado à vista nesta quinta-feira, 15, após duas sessões seguidas de alta. A divisa norte-americana só se firmou em queda no início do período vespertino em meio à percepção de que a economia norte-americana pode não estar pronta agora para um aperto monetário. O movimento no câmbio ganhou tração no final do pregão com a aproximação de parlamentares e o governo de Michel Temer, o que pode facilitar a tramitação de medidas de ajuste fiscal no Brasil.

No segmento à vista, o dólar fechou aos R$ 3,3004, em queda de 1,23%. De acordo com dados registrados na clearing da BM&F Bovespa, o volume de negócios somou US$ 1,216 bilhão. Já no mercado futuro, o contrato de dólar para outubro estava em R$ 3,3200, em baixa de 1,19%. O giro foi de US$ 19,281 bilhões.

As mínimas da sessão foram registradas quando deputados do chamado "Centrão" sinalizaram apoio ao Planalto e seus esforços para ajustar as contas públicas. De acordo com o líder do PSD na Câmara, Rogério Rosso (DF), os políticos do grupo - formado por PMDB, PP, PR, PSS, PRB, PTB e Solidariedade - entregaram ao presidente Michel Temer uma nota de "compromisso e apoio" às ações do governo. Também foi reafirmada durante almoço realizado no Palácio do Planalto a intenção de colaborar com a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do teto dos gastos.

No exterior, a principal fonte de tensão continuou sendo o ritmo de aperto monetário do Federal Reserve. Nesta quinta-feira, no entanto, os mercados encontraram algum alívio com uma série de indicadores mais fracos que o esperado sobre a economia dos Estados Unidos, indicando que a alta de juros no país não deve chegar tão cedo. Entre os números, as vendas no varejo caíram 0,3% em agosto ante julho, frente a uma previsão de queda menor, de 0,1%.

Em menos de uma semana, no dia 21, o Federal Reserve anuncia sua decisão de política monetária e atualiza suas projeções econômicas. As apostas de alta de juros neste ano têm recuado, mas nenhuma ação, inclusive agora em setembro, é descartada.