22°
Máx
14°
Min

Duplicação da ferrovia Campinas-Santos entra em fase final, diz Rumo

As obras de duplicação da ferrovia Campinas-Santos, iniciadas em 2011, entraram em sua reta final e os trechos duplicados vêm sendo gradualmente liberados para o tráfego ferroviário, informou em nota a Rumo, concessionária de ferrovias responsável pelo empreendimento. Com o fim das obras, a capacidade da ferrovia poderá aumentar 3,5 vezes, de 2 milhões para 7 milhões de toneladas por mês, segundo a empresa, a depender de outros investimentos nas estruturas de acesso aos terminais e em novas moegas ferroviárias.

O projeto, que absorve investimento de R$ 730 milhões, abrange a construção de segunda via em 204 quilômetros dos 264 da ferrovia Campinas-Santos, de acordo com informações da Rumo. Cerca de 19 quilômetros cortam regiões de relevo acidentado e continuarão sendo percorridos em linha simples, e outros trechos foram duplicados antes das obras executadas nos últimos cinco anos.

A última fase da duplicação refere-se a 38 quilômetros distribuídos em dois trechos, o de Embu-Guaçu a Evangelista (próximo à cidade de São Paulo) e de Paratinga a Perequê (na região de Cubatão). A execução desta fase começou em abril de 2014, após emissão de licença pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Uma obra de 2,5 quilômetros, no entorno de Cubatão, encerrou a construção ferroviária em junho.

Os investimentos continuarão com a construção de quatro passarelas, muros de segurança e nove viadutos para eliminação de cruzamentos com ruas. A ferrovia Campinas-Santos corta 16 municípios e, para a duplicação, foram construídos um túnel e 35 pontes e viadutos.

Em 2015, 53% do volume transportado pela Rumo, ou 24,9 milhões de toneladas, correspondeu a milho, soja e farelo de soja. A empresa projeta que o transporte de grãos deve aumentar 85% em dez anos, de 15 milhões de toneladas em 2015 para 28 milhões de toneladas em 2025. O incremento deve beneficiar especialmente regiões produtoras de soja e milho de Mato Grosso e de açúcar do interior de São Paulo. A Rumo opera ferrovias em São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso e tem previstos investimentos de R$ 9,4 bilhões nos próximos cinco anos nesses seis Estados.