21°
Máx
17°
Min

Em carta, Wasmália cita avanços e 'constantes restrições orçamentárias' no IBGE

Com a sinalização de terça-feira a respeito da troca de comando na presidência do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a presidente Wasmália Bivar encaminhou na manhã desta quarta-feira, 1º de junho, uma carta aos funcionários do instituto em que anuncia a saída do órgão. No documento, ela destaca as realizações do instituto nos últimos cinco anos pautadas, por "autonomia técnica e política", e critica as "constantes restrições orçamentárias e de pessoal". A presidente deverá falar com a imprensa em instantes.

A troca de comando ainda não foi oficializada pelo governo interino, mas o presidente em exercício, Michel Temer (PMDB), já indicou o economista Paulo Rabello de Castro para o cargo. Funcionária de carreira, Wasmália sinalizou na carta que deve permanecer no órgão.

Ela também elencou realizações de sua gestão à frente do órgão, e sinalizou que pautou sua atuação com a "premissa" de que as pesquisas e informações estatísticas "devem ser "compiladas de forma imparcial".

"Nesses últimos anos, apesar dos desafios impostos por constantes restrições orçamentárias e de pessoal, alcançamos importantes realizações, tendo sempre por premissa a ideia de que as informações estatísticas e geocientíficas devem ser compiladas de forma imparcial, com autonomia técnica e política e acessível a todos", informa a carta.

Entre os avanços citados na carta, Wasmália lista a consolidação da PNAD Contínua como principal pesquisa de resultados conjunturais sobre o mercado de trabalho, além das mudanças em projetos da área de geociências. Ela também destacou conquistas administrativas e a ampliação da inserção internacional do órgão em organismos multilaterais e como referência para países em desenvolvimento.

"São posições que refletem o reconhecimento internacional à excelência e relevância do nosso trabalho construído ao longo de uma história memorável de 80 anos", afirmou Wasmália. Na carta, ela indica que escolheu o IBGE para "construir a parte mais importante da vida profissional".