22°
Máx
17°
Min

Empresa paranaense lucra com renegociação de dívidas no país

Não foi só a Oi que recorreu à recuperação judicial. O Brasil bateu recorde de pedidos no primeiro semestre de 2016 e o Paraná não ficou de fora. O instrumento é utilizado por empresas para se protegerem da cobrança de dívidas enquanto tentam se reestruturar. No país, o crescimento foi de 87% nos seis primeiros meses do ano segundo levantamento do Serasa Experian. O Estado saltou de 10 pedidos nos primeiros meses de 2015 para 48 no mesmo período, representando 380% de aumento. A expectativa é de que o país feche 2016 com cerca de 1,8 mil pedidos de recuperação judicial.

Reflexo desses números, a HSA Soluções em Finanças, primeira empresa especializada em reestruturação de passivos financeiros no Brasil, fundada em 1994, registrou crescimento de 71% no faturamento em relação ao primeiro semestre de 2015. O total de dívidas a serem renegociadas pela empresa cresceu em R$ 453 milhões e o volume de acordos concluídos aumentou em 55%. “Esses números devem aumentar pois a maior parte da receita da empresa provem de taxas de êxito. Ou seja, o faturamento do primeiro semestre de 2016 ainda é reflexo do início da crise no primeiro semestre de 2015, devendo crescer substancialmente nesse semestre”, explica o CEO da HSA, Lazar Halfon.

O sucesso da HSA é facilmente compreensível já que é qualificada para diagnosticar, avaliar e apresentar alternativas para renegociar dívidas de empresas relacionados a bancos, fornecedores, impostos e trabalhistas, entre outros. Em 90% dos casos a solução encontrada é administrativa, sem necessidade de recorrer ao judiciário. “A recuperação judicial é uma medida para evitar a falência da empresa, pedida quando a mesma perde não só a capacidade de quitar suas dívidas, mas de manter a sua operação em funcionamento. É uma medida emergencial e só deve ser acionada em último caso, o ideal é que antes disso a empresa tente renegociar seus passivos de forma compatível com o seu fluxo de caixa”, acrescenta Halfon.