23°
Máx
12°
Min

Fed: melhores políticas fiscais e regulatórias podem melhorar a produtividade

O vice-presidente do Federal Reserve (Fed), Stanley Fischer, defendeu neste domingo melhores políticas fiscais e regulatórias que poderiam impulsionar a taxa de crescimento da produtividade e ajudar o banco central a evitar ter de diminuir as taxas de juros para perto de zero novamente.

Em um discurso no Instituto Aspen, Fischer expressou preocupação com a recente baixa taxa de crescimento da produtividade, definida como produção por trabalhador. A presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, tem apontado para a diminuição do crescimento da produtividade como uma possível explicação para o prolongado período econômico de crescimento mais lento e taxas de juros mais baixas.

Fischer não comentou sobre o próximo aumento da taxa de juros.

No longo prazo, a produtividade é um componente importante para a melhora nos salários, nos padrões de vida e no crescimento econômico. Seu ritmo lento de expansão nos últimos anos tem sido um sério problema para os formuladores de políticas públicas, que dizem não estar bem preparados para enfrentá-lo. Fischer pediu que formuladores de políticas fiscais façam os investimentos necessários para aumentar a produtividade.

"Embora haja discordância sobre quais políticas seriam mais eficazes, alguma combinação de melhoria da infraestrutura, melhor educação, mais incentivo para o investimento privado e uma regulamentação mais eficaz, todas provavelmente têm um papel a desempenhar na promoção de um crescimento mais rápido da produtividade e do padrão de vida - e também na redução da probabilidade de que a economia e, particularmente, o banco central terá, no futuro, de lidar mais do que é necessário com a taxa de juros perto de zero", disse ele.

Ao mesmo tempo, Fischer soou otimista sobre as perspectivas de curto prazo para a economia dos EUA, observando que o crescimento do emprego tem sido sólido e a inflação, embora inferior à meta do Fed de 2%, está "perto o bastante".

"Eu acredito que é uma notável, e talvez subvalorizada, conquista que a economia tenha voltado a um quase pleno emprego em um tempo relativamente curto após a Grande Recessão, dada a experiência histórica posterior a uma crise financeira", disse ele.

Fonte: Dow Jones Newswire