26°
Máx
19°
Min

Feijão carioca e leite longa vida foram responsáveis por 60% do IPCA de junho

Apenas dois produtos alimentícios foram responsáveis por 60% da inflação de junho, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O quilo do feijão-carioca ficou 41,78% mais caro em junho, uma contribuição de 0,11 ponto porcentual para a taxa de 0,35% apurada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no mês. Já o litro do leite longa vida aumentou 10,16%, um impacto de 0,10 ponto porcentual.

"A resistência dos preços está nos alimentos, é na alimentação, que depende do clima", explicou Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de Índices de Preços do IBGE. "O feijão-carioca é o mais consumido no País. Não tem em outro lugar, não dá para importar. Tem se importado o feijão preto", completou.

No caso do leite, os pecuaristas estão gastando mais com a ração para o gado, por conta de problemas com o pasto e pela redução na safra nacional de milho. Juntos, o feijão-carioca e o leite longa vida deram uma contribuição de 0,21 ponto porcentual para o IPCA.

Outras altas relevantes em junho foram do feijão-mulatinho; feijão-preto; feijão-fradinho; manteiga; chocolate em barra e bombom; fubá de milho; alho; leite em pó; café moído e ovos.

"Os alimentos têm subido por conta de problemas climáticos, que têm acontecido neste ano e (aconteceram) no fim do ano passado. Teve muita chuva. No caso do feijão-carioca, o principal produtor é o Paraná. Tem diminuído a oferta de feijão. É o prato típico do brasileiro, feijão com arroz. A saca do feijão-carioca, que nessa época ficava em torno de R$ 120,00, este ano chegou a R$ 500,00, até R$ 600,00", disse Eulina.

Por outro lado, os produtos que tiveram reduções de preços mais relevantes foram: cenoura, cebola, açaí, tomate, frutas, pescado, óleo de soja, açúcar refinado, frango inteiro, pão de forma e doces.