22°
Máx
16°
Min

Gás natural é escolha de cervejarias que buscam economia e produtividade

(Foto: Natasha Montier/ GERJ) - Gás natural é escolha de cervejarias que buscam economia e produtividade
(Foto: Natasha Montier/ GERJ)

O mercado de cervejas artesanais está em alta no Brasil e no Paraná o cenário não é diferente, já que Curitiba é um dos principais polos cervejeiros do país. Para apresentar as vantagens do uso do gás natural em cervejarias (compagas.com.br/index.php/industrial ), a Compagas participa, até domingo (12), do 1º Festival Paranaense de Cervejas Artesanais, organizado pela Associação das Microcervejarias do Paraná (Procerva), em Curitiba.

Em busca de competitividade e economia, cada vez mais cervejarias paranaenses escolhem o gás natural para seus processos de produção. É o caso da Gauden Bier, onde o gás natural já é utilizado há cinco anos. 

O proprietário da cervejaria, Ronaldo Flor, destaca o abastecimento contínuo e a inexistência dos botijões como algumas das vantagens do gás natural, além do preço reduzido. “Trocamos o GLP (gás liquefeito de petróleo) pelo gás natural e desde então não temos mais problemas com reabastecimento”, conta ele. “Outro ponto é que no inverno os botijões chegavam a congelar. Com o abastecimento continuo da Compagas nossa produtividade também aumentou, pois houve melhora no rendimento dos equipamentos.” 

Na Gauden Bier, o gás natural é utilizado no processo produtivo para aquecimento das caldeiras e na pasteurização dos equipamentos utilizados para engarrafar as cervejas. 

Outra cervejaria paranaense que deve iniciar o uso do gás natural da Compagas é a Klein. De acordo com o diretor geral da cervejaria, Henrique Presser, a Klein lançará em breve uma nova unidade da fábrica, que deve contar também com um restaurante e espaço para degustação. 

O gás natural será utilizado tanto no processo produtivo da fábrica, quanto na cozinha para produção dos alimentos. Presser reforça que a segurança oferecida pelo gás natural foi também um atributo levado em conta na hora de optar pelo combustível. “Em casos de vazamento, a dispersão do gás natural na atmosfera é mais rápida, reduzindo drasticamente os riscos de acidentes”, diz ele. 

Colaboração AENPr.