28°
Máx
17°
Min

Ibovespa vira na reta final e sobe 0,16% nesta sexta-feira e 4,36% na semana

A bolsa trabalhou em baixa até a última hora da sessão desta sexta-feira, 19, quando uma forte compra de papéis içou o índice à vista e o tirou do negativo. A Bovespa conseguiu sustentar essa valorização até o final e garantiu uma alta de 4,36% na semana.

A bolsa brasileira avançou 0,16%, aos 41.543,40 pontos. Na mínima, marcou 41.071 pontos (-0,98%) e, na máxima, 41.828 pontos (+0,84%). No mês, acumula ganho de 2,82% e, no ano, perda de 4,17%. A alta acumula da semana, de 4,36%, foi a maior desde a semana encerrada em 29 de janeiro (+6,24%). O giro financeiro totalizou R$ 4,312 bilhões, segundo dados preliminares.

A entrevista dos ministros da Fazenda, Nelson Barbosa, e do Planejamento, Valdir Simão, durante a tarde pouco influenciou o mercado acionário. Uma das medidas anunciadas pelo governo nesta tarde foi a otimização de pagamentos de precatórios pela União, o que poderá adicionar R$ 12 bilhões ao resultado primário do governo.

Eles anunciaram ainda a limitação da expansão de gastos e um contingenciamento de R$ 23,408 bilhões no orçamento deste ano, o menor desde 2010.

Pouco antes de o Ibovespa virar, as ações dos bancos já exibiam recuperação do desempenho de mais cedo, quando estavam no vermelho. Apenas Santander ainda continuou em baixa, repercutindo os rumores de que poderia ficar com a operação brasileira do Citi. Bradesco PN subiu 0,40%, Itaú Unibanco PN, 0,91%, BB ON, 1,09%. Santander unit, -0,64%.

A bolsa ficou de olho a tarde toda em Wall Street, onde, às 18h13, o Dow Jones perdia 0,27%, o S&P caía 0,16%, mas o Nasdaq subia 0,25%. Uma das pressões baixistas hoje foi o preço do petróleo, que recuou 3,67% no contrato para março negociado na Nymex, para US$ 29,64 o barril. Em Londres, o vencimento de abril terminou a US$ 33,01, em baixa de 3,70%.

Petrobras terminou com perda de 3,33% na ação ON e de 2,83% na PN. Vale teve melhor sorte e subiu: +2,78% a ON e +4,07% a PNA.