27°
Máx
13°
Min

Incertezas sobre meta fiscal de 2017 sustentam dólar em 4ª sessão seguida de alta

O dólar subiu ante o real nesta quarta-feira, 6, pela quarta sessão seguida, apesar da queda da divisa norte-americana no exterior. Os profissionais do mercado apontaram que o câmbio doméstico destoou da movimentação lá fora por causa de incertezas em torno da meta fiscal do governo para 2017. Também foram embutidos no preço a persistente expectativa de novos leilões de swap cambial reverso e preocupações sobre os efeitos do Brexit na economia global.

Se a meta fiscal de 2017, que será anunciada amanhã, for de um déficit superior a R$ 150 bilhões, o anúncio pode representar uma derrota para a equipe econômica do presidente em exercício, Michel Temer, afirmou o gerente de mesa de derivativos de uma corretora. "Isso soaria mal. E se ficar em R$ 170 bilhões, será pior ainda", apontou a fonte. "O mercado já está precificando esse possível déficit pesado", acrescentou.

O dólar à vista no balcão fechou em alta de 1,00%, ao R$ 3,3357, acumulando ganho de 3,90% em julho. O giro registrado na clearing de câmbio da BM&FBovespa foi de US$ 955,955 milhões. No mercado futuro, o dólar para agosto teve valorização de 0,77%, aos R$ 3,3550. O volume de negócios estava em US$ 14,588 bilhões.

As atuações do Banco Central, com quatro leilões de swap cambial reverso em julho, também têm sustentado a alta do dólar. Amanhã, o BC faz o quinto leilão, com oferta de mais 10 mil contratos (cerca de US$ 500 mil) para dois vencimentos. O BC ainda carrega um estoque de US$ 60,135 bilhões em contratos tradicionais de swap que podem ser revertidos para sustentar a divisa dos EUA. Comenta-se no mercado que o dólar pode chegar perto de R$ 3,50, nível semelhante ao observado quando Ilan Goldfajn assumiu a instituição. No entanto, qualquer projeção para o câmbio no curto prazo ainda é apontada como incerta.

Há a leitura entre parte dos agentes do mercado de que o fluxo de recursos no Brasil deve ficar positivo nos próximos meses, principalmente após a conclusão do processo de impeachment. Na visão do diretor da consultoria Wagner Investimentos, José Faria Júnior, caso esse movimento se concretize, o dólar pode recuar para cerca de R$ 3,10. "O BC consegue reduzir um pouco o movimento agressivo de queda com swap cambial reverso, mas a direção é para baixo", apontou o especialista. Para ele, o dólar deve se fortalecer mais para o final do ano com um possível corte da Selic ou elevação de juros nos EUA.