28°
Máx
17°
Min

Índice de confiança do consumidor sobe 2 pontos em maio, diz ACSP

O Índice Nacional de Confiança (INC) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) alcançou 66 pontos em maio, dois pontos porcentuais acima da marca registrada em abril. O indicador interrompe, dessa forma, uma sequência de dois meses consecutivos de queda na confiança do brasileiro. Em maio do ano passado, o INC estava em 105 pontos.

A pesquisa ocorreu entre os dias 29 de abril a 14 de maio, período no qual ocorreu o afastamento da presidente Dilma Rousseff, e mostrou maior confiança principalmente na classe C e na região Sul, de acordo com a ACSP. O indicador, que vai de 0 a 100, onde números acima de 100 indicam visão mais otimista, subiu de 63 pontos para 68 entre os consumidores da classe C. Na região Sul, houve oscilação de 59 pontos em abril para 67 em maio.

Na visão do presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Alencar Burti, o resultado de maio é "alentador", porém o número ainda deve ser visto com cautela, já que não sinaliza necessariamente a continuidade da recuperação da confiança nos próximos meses.

"A alta de dois pontos é boa, mas ainda está dentro da margem erro. Não significa que o consumidor vai retomar os níveis antigos de consumo", destacou Burti em nota. "Precisamos ter cautela e esperar as próximas medidas sociais e econômicas do novo governo, pois elas serão determinantes na percepção do consumidor", complementou.

A pesquisa foi realizada pelo Instituto Ipsos e tem margem de erro de três pontos. Desde junho de 2015 o indicador de confiança está abaixo de 100 pontos, o que significa que o consumidor em geral permanece pessimista.

Categorias

Se por um lado a classe C foi aquela que apresentou melhor resultado no indicador de confiança em maio, a classe D/E caminhou na direção inversa: a queda foi de 81 para 75 pontos. Em nota, a ACSP cogita que a queda seja sustentada em um pessimismo relacionado à possibilidade de uma eventual interrupção dos programas sociais após a mudança do governo.

Já o INC da classe A/B subiu de 49 pontos em abril para 52 em maio, variação dentro da margem de erro da pesquisa.

Na divisão por regiões, o Sudeste e a região Norte/Centro-Oeste apresentaram variação idêntica, de cinco pontos porcentuais para mais. No Sudeste a alta foi de 53 pontos para 58. No Norte/Centro-Oeste, o indicador oscilou de 70 para 75. No Nordeste, por outro lado, a confiança caiu de 82 para 73 pontos.

"Uma das razões pode ser o receio de interrupção dos programas sociais por parte do novo governo", destaca a ACSP. Em São Paulo, o INC subiu de 48 para 50 em maio, e permaneceu abaixo da média nacional.