20°
Máx
14°
Min

Índice Nacional de Custo da Construção fica em 0,41% em abril, diz FGV

(Foto: Wilton Junior / Estadão Conteúdo) - Índice Nacional de Custo da Construção fica em 0,41% em abril, diz FGV
(Foto: Wilton Junior / Estadão Conteúdo)

O Índice Nacional de Custo da Construção - Mercado (INCC-M) ficou em 0,41% em abril, mostrando desaceleração ante a alta de 0,79% em março, segundo divulgou nesta terça-feira, 26, a Fundação Getulio Vargas (FGV). O INCC-M acumula altas de 2,06% no ano e de 7,05% em 12 meses.

O recuo foi determinado pelos grupos de serviços e produtos. A taxa de variação do grupo Mão de Obra recuou de 1,16% em março para 0,52% neste mês. Também registrou inflação mais baixa o índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços. A taxa passou de 0,38% no mês passado para 0,29% em abril.

Das sete capitais analisadas, cinco desaceleraram as variações: Brasília (0,30% para 0,06%), Belo Horizonte (4,72% para 0,96%), Recife (2,03% para 0,13%), Rio de Janeiro (0,29% para 0,04%) e São Paulo (0,08% para 0,04%).

Em contrapartida, Salvador (0,32% para 2,23%) e Porto Alegre (0,33% para 0,54%) registraram aceleração.

Mão de obra

O grupo Mão de Obra puxou a desaceleração do Índice Nacional de Custo da Construção - Mercado (INCC-M) de abril, apurado pela FGV. Os preços do grupo caíram de 1,16% em março para 0,52% neste mês. De acordo com a FGV, a variação do grupo Mão de Obra reflete reajustes salariais registrados em Belo Horizonte e Salvador.

No grupo Materiais, Equipamentos e Serviços, o índice correspondente a Materiais e Equipamentos registrou variação de 0,28%ante 0,38% no mês anterior. A parcela relativa a Serviços passou de uma taxa de 0,38%, em março, para 0,33%, em abril.

Entre as maiores influências de baixa do INCC-M de fevereiro estão cimento portland comum (0,05% para -0,75%), vergalhões e arames de aço ao carbono (-0,07% para -0,46%), mármore e granito trabalhados (0,87% para -0,28%), areia lavada (0,19% para -0,29%) e argamassa (-0,06% para 0,00%).

Já entre as maiores influências de alta estão ajudante especializado (apesar da taxa menor: 1,02% para 0,67%), servente (mesmo com a desaceleração de 1,13% para 0,45%), carpinteiro (fôrma, esquadria e telhado) (a despeito de a variação ter caído de 1,45% para 0,56%), pedreiro (apesar do recuo da taxa de 1,42% para 0,47%) e bombeiro (mesmo tendo o porcentual caído de 0,89% para 0,58%).

O INCC-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.