21°
Máx
17°
Min

Indústria paulista corta 4 mil empregos em abril, diz Fiesp

A indústria paulista eliminou quatro mil vagas em abril, o que representa uma queda de 0,17% ante março de 2016, sem ajuste sazonal, e recuo de 1,02% com ajuste sazonal. É a primeira vez na série histórica, que começou em 2006, que abril ficou com saldo negativo em empregos. Os dados são do Indicador de Nível de Emprego da Indústria Paulista, divulgado nesta terça-feira, 17, pelo Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon), da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp).

No ano até abril, a indústria de São Paulo demitiu 34,5 mil trabalhadores, queda de 1,50% ante o mesmo período de 2015 e de abril do ano passado até abril de 2016, 253,5 mil postos foram fechados na indústria do Estado (-10,06%).

Conforme a Fiesp, apesar do saldo negativo, o ritmo de demissões diminuirá. "Com o forte ajuste que a indústria tem feito desde o ano passado e as expectativas de mudanças da condução da política econômica do país, nossa esperança é que as demissões comecem a perder ritmo", declarou, em nota. A expectativa para o fechamento do ano é de cerca de 165 mil vagas a menos. Em 2015, esse número ficou em 235 mil.

Dos 22 setores pesquisados pela entidade, 16 tiveram saldo negativo de vagas, dois ficaram estáveis e quatro contrataram. O setor sucroalcooleiro foi novamente destaque de geração de empregos, com alta de 7.073 postos de trabalho em abril, influenciando positivamente os setores de Produtos Alimentícios (que registrou saldo de 6.642 contratações) e de Coque, Derivado de Petróleo e Biocombustíveis (cujo saldo foi de 1.129 empregos a mais).

Por outro lado, o pior desempenho continua sendo o do segmento de veículos automotores, reboques e carrocerias, com saldo de 2.309 demissões no mês.

Na análise por regiões, das 36 diretorias regionais, 20 sofreram variação negativa no nível de emprego em abril e 16 contrataram mais do que demitiram.

Conforme a Fiesp, o destaque positivo ficou para as cidades de Sertãozinho, com 10,04%; Jaú, 4,35%; e Santa Bárbara D'Oeste, 3,29%, enquanto o negativo ficou para São Caetano do Sul, com queda de 2,35% das vagas de trabalho; Guarulhos, 2,11% a menos, e Bauru, queda de 1,80%.