23°
Máx
12°
Min

Infinity Bio-Energy tenta acordo para evitar a falência

O grupo Infinity Bio-Energy, que chegou a faturar R$ 600 milhões na safra 2011/12 e ter seis usinas de etanol em operação, corre contra o relógio para garantir sua sobrevivência. Após chegar quase à falência no ano passado, os acionistas controladores da companhia começaram a estruturar um novo plano de recuperação com seus credores para retomar suas operações.

Fundada em 2006, com objetivo de competir de igual para igual com as gigantes do setor sucroalcooleiro, que, àquela época, viviam a euforia do boom do consumo de etanol, a companhia não resistiu à crise e entrou em recuperação judicial em maio de 2009. Com uma dívida de cerca de R$ 1,5 bilhão (exceto tributária), o grupo foi minguando aos poucos e das seis unidades, somente uma segue em operação.

Em agosto do ano passado, após sucessivas renegociações com credores e risco de quebrar de vez, o acionista controlador do grupo, a Tinto Holding, que tem entre os seus sócios o empresário Natalino Bertin contratou a consultoria Exame Partners para fazer um novo rearranjo na companhia.

Angelo Guerra Netto, sócio da Exame Partners, consultoria de reestruturação de empresa, especializada em agronegócio, afirmou que está em curso um novo plano que, se aprovado, poderá fazer a companhia retomar, aos poucos, suas atividades ainda que em menor escala.

Guerra retomou as conversas com credores no segundo semestre, depois de o plano de recuperação judicial ter fracassado.

No dia 29 de abril, parte dos credores, que representavam 80% dos valores devidos, aprovou essa nova reestruturação. Mas para o plano seguir adiante, precisa da homologação do juiz responsável pela recuperação judicial da companhia, Paulo Furtado, da 2ª Vara do Estado de São Paulo, prevista para os próximos dias.

Uma vez aprovado pelo juiz, essa reorganização terá de ser submetida, em até 30 dias, ao aval dos credores aderentes, ou seja, os que deram recursos após o plano original de recuperação judicial (os bancos Bradesco, HSBC, BNDES, Santander e os fundos Amerra e Carval). Esses credores detêm a alienação fiduciária das seis usinas. Mas a ideia é que eles fiquem duas unidades Usinavi, do Mato Grosso do Sul, e Ibirálcool, no sul da Bahia.

Os atuais controladores ficariam com outras duas unidades - a Cridasa, no Espírito Santo; e Cepar, em Minas Gerais. As outras duas - Disa e Alcana -, ambas no Espírito Santo, para os demais credores, com preferência para quitar dívidas trabalhistas.

Retomada. Se homologado o plano, os atuais controladores tentarão viabilizar a retomada das operações das duas usinas sob gestão: Cridasa e Cepar. As outras duas unidades (Disa e Alcana) poderiam ser vendidas e, os recursos obtidos, seriam distribuídos aos credores na proporção da dívida de cada um, ou mantidas, se for o caso.

"Havia um problema grave, mas a persistência e abertura para o diálogo com os credores permitiram achar uma solução. Talvez não a ideal, mas a possível, que é melhor que a inércia", diz Guerra.

Com uma capacidade de 9,4 milhões de toneladas considerando as seis unidades, hoje o grupo fatura cerca de R$ 10 milhões. Quando fundada, a companhia tinha fundos estrangeiros como acionistas. A holding Tinto entrou no negócio após a recuperação judicial.

Crise setorial - Desde a safra 2008/09, boa parte das usinas do setor enfrenta sérias dificuldades financeiras. Endividadas, muitas companhias mudaram de mãos e outras em recuperação judicial.

De acordo com Antonio de Padua Rodrigues, diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), cerca de 80 usinas estão paradas, de um total de 450 unidades. Dessas, cerca de 70 em recuperação judicial. "Muitas não têm condições de retomar a produção."

O setor sucroalcooleiro, que registrou uma receita de R$ 87 bilhões na safra passada, a 2015/16, soma dívidas financeiras de cerca de R$ 100 bilhões.

A expectativa para o atual ciclo, 2016/17, é de recuperação dos preços do açúcar. A alta do dólar e a melhor competitividade do etanol em relação à gasolina deverão impulsionar parte do setor. Mas ainda não é suficiente para tirar boa parte dos grupos da profunda crise que abateu sobre essas companhias. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.