23°
Máx
12°
Min

Intenção de investimento industrial sobe 7,9 pontos no 3º trimestre, revela FGV

(Foto: Divulgação) - Intenção de investimento industrial sobe no 3º trimestre
(Foto: Divulgação)

O Indicador de Investimento da Indústria, elaborado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), subiu 7,9 pontos no terceiro trimestre deste ano, em relação ao trimestre imediatamente anterior. Com o resultado, o índice atingiu 90,4 pontos, o maior valor desde o terceiro trimestre de 2015 (91,9 pontos).

"Assim como ocorre com os indicadores de confiança, o resultado do Indicador de Intenção de Investimentos sugere taxas de crescimento do investimento produtivo menos negativas daqui por diante. Há, no entanto, muita incerteza com relação à execução dos planos de investimento que, associada à combinação de ociosidade elevada, tende a manter o ritmo de retomada de investimentos mais lento que em recuperações recentes", afirmou Aloisio Campelo Jr, Superintendente de Estatísticas Públicas do FGV/Ibre

Segundo a sondagem, 14,8% das empresas pesquisadas informaram que, nos próximos 12 meses, planejam ampliar seus programas de investimento. No terceiro trimestre do ano passado, eram 20,4% e, no segundo trimestre deste ano, 16,2%.

Já a parcela das indústrias que pretende reduzir os investimentos nos próximos 12 meses passou a 24,4% no terceiro trimestre deste ano, em comparação a 28,5% em igual período do ano passado e 33,7% no segundo trimestre.

A FGV informa ainda que pelo segundo trimestre consecutivo há mais empresas incertas sobre a realização dos seus programas investimento nos próximos 12 meses, 32,7%, do que certas, 30,4%. Com isso, o saldo do indicador de "grau de certeza dos planos de investimento" é de -2,3 pontos. Esse foi o menor porcentual de empresas certas sobre a execução dos investimentos e o segundo maior de empresas incertas desde o início do quesito (4º trimestre de 2014).

Outro quesito abordado nesse trimestre, foi sobre a probabilidade de revisão do programa de plano de investimentos para os próximos 12 meses.

Atualmente, 57,6% das empresas afirmam que os investimentos devem ficar dentro do programado. Dos 42,4% que consideram uma possível mudança, 23,8% admitem investir mais que o previsto enquanto 18,6% preveem a possibilidade de reprogramação para baixo.

A Sondagem de Investimentos é um levantamento estatístico trimestral que fornece sinalizações sobre o rumo dos investimentos produtivos no setor industrial. A coleta de dados para a sondagem divulgada hoje ocorreu entre 5 de julho e 31 de agosto. Foram ouvidas 691 empresas.