26°
Máx
19°
Min

Investidor mantém cautela antes do Fed e BoJ e bolsas fecham em leve alta em NY

As bolsas de Nova York fecharam com alta moderada nesta terça-feira, 20, véspera das reuniões de política monetária do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) e do Banco do Japão (BoJ). Ações do setor de saúde lideraram os ganhos.

O índice Dow Jones terminou com avanço de 0,05%, aos 18.129,96 pontos, o Nasdaq subiu 0,12%, aos 5.241,35 pontos, e o S&P 500 teve leve ganho de 0,03%, aos 2.139,76 pontos.

Amanhã, o Fed anuncia sua decisão de juros, às 15h. A maioria dos investidores acredita que a instituição manterá os juros, atualmente entre 0,25% e 0,50%, principalmente devido aos recentes dados mistos e o Produto Interno Bruto do 2º trimestre mais fraco do que o esperado. Ainda assim, há um pouco de incertezas por causa das eleições presidenciais em novembro. Alguns analistas sugerem que o Fed poderia elevar as taxas de juros na reunião desta semana, pois poderá ser um risco ter que esperar até dezembro, uma vez que o futuro do país pode ficar incerto dependendo do resultado das eleições.

Ainda assim, o consenso é de manutenção dos juros e expectativa por pistas que a presidente do Fed, Janet Yellen, poderá fornecer sobre um aperto monetário na reunião de dezembro, quando concentra a maior parte das apostas, com chance de elevação de 55%, de acordo com dados compilados pelo CME Group com base no futuro dos Fed funds.

Já as expectativas com o BoJ seguem mistas à frente de sua "revisão abrangente", como informou a própria instituição, de suas políticas monetárias - o que levou a uma gama mais ampla de especulações. Os investidores estão divididos se o banco vai cortar as taxas ainda mais em seu território negativo, alterar ou sinalizar uma mudança significativa em sua política monetária daqui para frente.

"Ninguém quer estar do lado errado de qualquer cortes ou elevações das taxas, se acontecer", disse Mohit Bajaj, diretor de negociação de fundos negociados em bolsa da WallachBeth Capital. "As pessoas estão evitando assumir posições à espera do que pode acontecer", acrescentou.

Entre os destaques, as ações de empresas de saúde foram as que mais subiram, impulsionadas por ações de biotecnologia, um setor que caiu bastante desde o início do ano, mas que recentemente tem mostrado recuperação. Entre as maiores altas, as ações da Tobira Therapeutics, que desenvolve tratamentos para doenças hepáticas, subiram mais de 700% depois que a Allergan concordou em comprar a empresa por US$ 1,7 bilhão.

Entre outras notícias corporativas, as ações da Royal Caribbean subiram 4,5%, após a empresa elevar seu dividendo trimestral na tarde desta terça-feira. (Com informações da Dow Jones Newswires)