28°
Máx
17°
Min

Itaú Unibanco prevê que inflação pode surpreender e cair mais ao longo do tempo

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Ilan Goldfajn, acredita que a inflação do País, medida pelo IPCA, vai continuar caindo e pode, inclusive, surpreender ao longo do tempo. Ele disse, em conversa com jornalistas nesta quinta-feira, 7, que espera que o indicador de março, que será divulgado amanhã, fique em 0,45% e em 6,9% ao final deste ano. "É uma desaceleração importante", afirmou ele, à imprensa, durante evento do Itaú BBA sobre macroeconomia.

Para o especialista, à medida que a inflação ceder, o Banco Central deve passar a reduzir os juros. Ele afirmou que, embora Alexandre Tombini, presidente do BC, tenha sinalizado que os juros não seguirão tal trajetória agora, a expectativa do Itaú é que uma inversão ocorra no segundo semestre em meio à queda da inflação.

"O Brasil dá os primeiros sinais de alguma estabilidade futura. Parece que as expectativas de confiança pararam de piorar, o que é bom, e devem garantir um segundo semestre parado", disse Goldfajn.

Ele explicou ainda que "ficar parado" no segundo semestre não é bom, mas que a queda da inflação e o fato de a confiança ter parado de piorar podem contribuir para que o declínio do Produto Interno Bruto (PIB) fique mais próximo dos 4% do que dos 5% neste ano.