22°
Máx
14°
Min

Maioria das bolsas da Europa fecha em baixa; Milão é exceção

As principais bolsas da Europa fecharam majoritariamente em baixa na sessão desta quinta-feira, 6, com exceção de Milão, que conseguiu ficar em território positivo. O dia foi marcado por volatilidade após a divulgação da ata da última reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE). Além disso, a expectativa com o relatório de emprego (payroll) dos Estados Unidos, que sai na sexta-feira, 7, disseminou cautela entre os investidores.

Os dirigentes do BCE alertaram para os "crescentes desafios" em obter bônus para o programa de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês) da autoridade monetária, e sinalizaram também que o programa de estímulos poderia ser expandido novamente. Ainda neste âmbito, o vice-presidente do BCE, Vítor Constâncio, rechaçou a reportagem publicada pela Bloomberg na quarta sobre a probabilidade da autoridade monetária reduzir o ritmo de compras no QE e disse que não há um consenso na instituição sobre esse tema.

Na sexta, os Estados Unidos divulgam o payroll, considerado uma espécie de termômetro da saúde da economia norte-americana. O resultado da criação de vagas no último mês pode influenciar a percepção dos investidores sobre quando o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) deve elevar os juros, e, de quebra, guiar os mercados acionários. Com os investidores no aguardo desse dado importante, o índice pan-europeu Stoxx 600 recuou 0,40%, aos 342,82 pontos.

Em Londres, o FTSE 100 teve queda de 0,47%, aos 6.999,96 pontos, com a libra renovando as perdas ante o dólar. Os investidores continuam absorvendo a filosofia intervencionista da primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, o que os levou a se desfazer dos papéis acionários. A EasyJet foi o grande destaque negativo, em queda de 6,93%, após revelar seu balanço trimestral, o que contaminou o setor aéreo e puxou outras companhias do índice.

O DAX, em Frankfurt, recuou 0,16%, aos 10.568,80 pontos, com baixo volume de negócios na véspera do payroll. A Deutsche Telekom caiu 2,03%, enquanto a RWE perdeu 1,70%. Na esteira da queda da EasyJet, a Lufthansa recuou 1,42%.

Em Paris, o CAC-40 fechou em baixa de 0,22%, aos 4.480,10 pontos, também à espera do payroll, que pode reforçar o argumento para os EUA elevarem os juros. O setor bancário destoou e apresentou alta, com o AXA, o Société Generale e o BNP Paribas subindo mais de 2,0%, mas as imobiliárias, que se beneficiam de juros baixos, tiveram queda.

Milão foi a única das bolsas que fechou em terreno positivo, subindo 0,09%, aos 16.491,62 pontos. Assim como em Paris, os bancos tiveram boa performance, com o UniCredit subindo 2,29%, o Intesa Sanpaolo avançando 0,70% e o Mediolanum ganhando 0,65%.

Em Madri, o Ibex 35 caiu 0,24%, aos 8.757,40 pontos, enquanto o PSI 20, de Lisboa, recuou 0,82%, aos 4.537,63 pontos. Com informações da Dow Jones Newswires