26°
Máx
19°
Min

Marfrig fará recompra de notes, condicionada a uma nova emissão

A Marfrig Global Foods anuncia recompra de títulos no exterior à vista, condicionadas a uma nova oferta. Ainda não há detalhes sobre a nova emissão, mas conforme o Broadcast (serviço de notícias em tempo real da Agência Estado) apurou, a empresa tem encontros nesta segunda-feira, 23, e na terça-feira, 24, com investidores em Londres e Nova York. Também já havia sido antecipado, com fontes, o mandato com os bancos, que são BB Securities, o Bradesco BBI, HSBC, Morgan Stanley e o Santander.

Esses bancos estão envolvidos na ofertas de compra à vista de notes com vencimento em 2016, 2017, 2018 e 2020. As notes 2016 emitidas pela Marfrig Overseas têm remuneração de 9,625% ao ano, com valor de principal em aberto de US$ 183,876 milhões. As de 2017, da Marfrig Holdings, são de 9,875% ao ano, com valor de principal em aberto de US$ 153,157 milhões; as de 2018, com remuneração de 8,375% também são emitidas pela Marfrig Holdings, de US$ 567,108 milhões em aberto; e as de 2020, com remuneração de 9,500% ao ano, são da Marfrig Overseas, de US$ 669,737 milhões em aberto.

O valor total a ser despendido para a compra dos notes 2018 e 2020 estará sujeito a limite equivalente à diferença entre o valor de US$ 500 milhões e o total em dinheiro para as notas 2016 e 2017 remanescentes. Os limites das ofertas 2018 e 2020 podem ser elevados, mas "não há qualquer garantia de que tal faculdade será exercida", diz a Marfrig em comunicado.

Junto com a oferta de compra 2018, a Marfrig Holdings solicita o consentimento de titulares representando pelo menos a maioria do saldo devedor dessas notas excluir "substancialmente todos" os covenants restritivos e determinadas condições de vencimento antecipado.

As ofertas e a solicitação de consentimento vão expirar em 20 de junho, e o prazo de oferta antecipada para cada uma das operações é dia 6 de junho.