27°
Máx
13°
Min

Mercedes-Benz confirma inauguração de fábrica de veículos premium no dia 23

A Mercedes-Benz confirmou nesta quinta-feira, 3, que vai inaugurar daqui a três semanas, no dia 23, a sua terceira fábrica no Brasil, em Iracemápolis, a 160 quilômetros de São Paulo. Será a primeira unidade da montadora voltada para a produção de automóveis - as outras duas produzem caminhões e ônibus. Erguida com investimentos de R$ 500 milhões, a operação terá capacidade para produzir 20 mil veículos por ano e deve gerar cerca de 500 empregos diretos.

A decisão da Mercedes-Benz de inaugurar mais uma fábrica no Brasil, mesmo em um momento de crise do setor automotivo, deve-se a uma aposta no mercado de carros classificados como "premium", voltados para um consumidor de maior renda. Nesse segmento, a montadora vendeu 17.525 unidades em 2015, alta de 46% em relação ao ano anterior, enquanto o setor como um todo, na mesma comparação, teve queda de 26,5%, a maior em 27 anos.

Serão produzidos em Iracemápolis os modelos Classe C (sedan) e GLA (SUV compacto). O Classe C, inclusive, representa 46% das vendas da montadora no Brasil.

A pedra fundamental da unidade foi lançada em fevereiro de 2015. À época, com o setor já em queda, o presidente da Mercedes-Benz no Brasil, Philipp Schiemer, disse que, "apesar de a economia brasileira nos surpreender por oscilações muitas vezes repentina", a experiência da montadora de quase 60 anos no País "nos faz enxergar o potencial promissor no Brasil".

Na contramão da Mercedes-Benz, algumas montadoras têm repensado alguns movimentos ligados a investimentos. A Honda, por exemplo, informou no fim do ano passado que adiou a inauguração de sua segunda fábrica no Brasil. Antes, o início das operações estava previsto para o primeiro semestre de 2016. Até o momento, contudo, não há uma nova data prevista.

Além disso, há duas semanas, o presidente mundial da GM, Dan Ammann, afirmou, em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo", que pode reavaliar os investimentos previstos para o Brasil caso o cenário não apresente sinais de melhora em um horizonte de seis a 12 meses. O plano de investimentos da montadora para o País, anunciado em julho do ano passado, é de R$ 6,5 bilhões e pretende cobrir gastos até 2019.