28°
Máx
17°
Min

Mercosuper aponta tendências econômicas para o setor

Professor Pio Martins (Foto:Bruna Zembuski/Central Press) - Mercosuper aponta tendências econômicas para o setor
Professor Pio Martins (Foto:Bruna Zembuski/Central Press)

Em meio à turbulência política e econômica brasileira, os economistas Carlos Kawal e José Pio Martins levaram a um auditório lotado seus pontos de vista sobre as perspectivas econômicas para o varejo brasileiro. A palestra, na última quarta-feira (13), marcou o segundo dia da Mercosuper 2016 - um dos mais importantes eventos do setor supermercadista brasileiro.

Exibindo os dados atuais da situação brasileira, o economista chefe do Banco Safra, Carlos Kawal, mostrou que a desaceleração da economia brasileira é a mais profunda desde 1901. 

“Estamos perante a chance de regredir de 15 a 16 anos na produção industrial”, revelou. 

Ainda assim, mesmo diante de uma queda de 3% nas vendas nos últimos 12 meses, segundo o IBGE, Kawal lembrou que o setor supermercadista é um dos menos afetados do varejo brasileiro.

Ele explicou que a queda na economia como um todo está arrastando o mercado de trabalho para uma taxa de desemprego que já beira os 8% e caminha para dois dígitos ainda em 2016, podendo chegar a 14% no próximo ano, mesmo que a economia se estabilize. Os dados mais alarmantes, segundo Kawal, vêm dos bolsos dos consumidores: 60% das famílias brasileiras já estão endividadas e ¼ da população tem mais de 50% da renda comprometida com dívidas. 

“Os consumidores estão despolpando e se endividando  em função da queda de renda e desemprego”.

Kawal apresentou dois cenários para a economia brasileira: com ou sem impeachment. “Os cenários deverão ser mais claros a partir deste domingo”, afirmou. Segundo ele, com um ajuste fiscal, a taxa de juros poderia cair fortemente e se traduzir em melhora da confiança, acelerando a recuperação. “De qualquer forma, a recuperação não será rápida”, lamentou. “As empresas estão muito endividadas e sem condições de investir – o que retarda ainda mais a recuperação do país”, justificou. Para o economista chefe do Banco Safra, não basta trocar o presidente – “é preciso colocar alguém com coragem para implantar medidas que exigem ajustes dolorosos e difíceis, que o Brasil precisa neste momento”, concluiu.

Já o professor José Pio Martins, economista e reitor da Universidade Positivo (UP), baseou sua fala em cinco grandes problemas do Brasil: a falta de produtividade do trabalhador; o crescimento e envelhecimento da população; o índice de pobreza; a retração da economia e a dificuldade de sobrevivência das empresas. 

Para o reitor, “não adianta a empresa olhar para dentro da porteira se está instalada num país que não é competitivo”. 

Ele citou ainda os fatores que investidores estrangeiros consideram para um ambiente adequado de investimento – muitos dos quais o Brasil ainda precisa evoluir bastante: estabilidade política; liberdade econômica; regras claras e estáveis; legislações trabalhistas modernas e de acordo com a realidade do mercado; estabilidade da moeda; boa gestão de contas públicas, carga tributária simples e moderada e justiça social.

Quando questionado se investiria num negócio, atualmente, Pio Martins afirmou que o verdadeiro empreendedor enxerga oportunidades onde ninguém vê – e que a crise é um momento de buscar oportunidades. Segundo o professor, alguns públicos se destacam por apresentarem crescimento não só no Brasil, mas no mundo todo. São eles: idosos, obesos, solitários, depressivos e dependentes de drogas lícitas e ilícitas. 

“O mercado que se atentar para esse público terá grande chances de sucesso”, ressaltou.

Promovida pela Associação Paranaense de Supermercados (Apras), a Mercosuper 2016 acontece de 12 a 14 de abril e conta com cerca de 150 expositores. O Laboratório da UP marca presença no espaço chamado “Hub do Varejo”, que faz a demonstração de 12 soluções startups aplicadas aos supermercados. Além disso, a UP leva à Mercosuper mais de 30 palestras gratuitas com especialistas de renome da política, economia e administração, em temas que vão do endobranding ao visual merchandising. Os participantes também podem participar de cursos de extensão gratuitos, certificados pela Universidade Positivo.

Colaboração Assessoria de Imprensa.