21°
Máx
17°
Min

Milhares de metalúrgicos do ABC fazem protesto para renovar PPE e ameaçam greve

Milhares de metalúrgicos da Mercedes-Benz e da Ford ocuparam na manhã desta quarta-feira, 1º de junho, a Via Anchieta, em São Bernardo do Campo, para pedir a renovação da adesão das duas montadoras ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE), do governo federal. Segundo o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Rafael Marques, as empresas já sinalizaram que não pretendem fazer a renovação e ameaçam realizar novas demissões para se adequar à queda na venda de veículos. "Se tiver demissão, faremos greve", disse Marques aos manifestantes, que apoiaram a decisão.

As empresas que aderem ao PPE podem reduzir a jornada e os salários dos funcionários em até 30%, com metade da perda salarial sendo compensada pelo governo, com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Lançado em julho do ano passado e aberto a qualquer segmento, o programa atraiu principalmente a adesão de montadoras, como a Mercedes-Benz e a Ford.

A adesão da Mercedes-Benz, que inclui cerca de 7 mil trabalhadores, expirou ontem e o presidente da montadora, Phillipp Schiemer, já disse que a renovação parece "impossível", em razão da piora do mercado. Com isso, cerca de 500 funcionários foram colocados em licença remunerada e um Programa de Demissão Voluntária (PDV) foi aberto neste mês. Na Ford, a adesão inclui cerca de 4 mil trabalhadores e vai até 30 de junho, mas, segundo Marques, a empresa tem resistido à renovação.

"Não dá para aceitar o posicionamento das duas empresas. Nós lutamos pela criação do PPE no ano passado e, quando tivemos os primeiros acordos, isso trouxe tranquilidade. Hoje, no ABC, temos 23 mil trabalhadores no PPE. O programa é a solução para o momento da economia, que não dá sinais de reação, para que, quando a situação volte ao normal, o emprego seja renovado" disse o sindicalista, acrescentando que a Volkswagen também tem ameaçado demitir.

De acordo com o presidente do sindicato, de 8 mil a 9 mil trabalhadores ocupam a Via Anchieta, que foi bloqueada pela Polícia Militar. No início, os funcionários da Ford decidiram em votação que não trabalhariam hoje, em protesto pela renovação do PPE. Além disso, a Scania realizou um ato em frente à fabrica, mas não se juntou aos metalúrgicos da Mercedes-Benz e da Ford.

Marques disse também que os trabalhadores aproveitam para protestar contra a reforma trabalhista e a reforma da Previdência, que fazem parte da agenda econômica do presidente da República em exercício, Michel Temer. Pedem ainda que o governo lance um programa de renovação da frota de veículos do Brasil, com o objetivo de estimular a demanda é elevar a produção das montadoras.

A venda de veículos no Brasil caminha para terminar mais um ano em queda, depois de um recuo de 26,5% em 2015, o maior tombo do setor em 27 anos. A piora do mercado tem resultado em queda da produção e demissões na indústria automotiva. Nos últimos 12 meses, as montadoras fecharam 11,2 mil vagas de emprego.