22°
Máx
14°
Min

Ministro de Finanças da África do Sul alerta para crise no país

O ministro de Finanças da África do Sul, Pravin Gordhan, afirmou que seu país corre o risco de cair em uma espiral de ampliação da pobreza e da desigualdade se os líderes não provarem que a maior economia do continente africano está em boas mãos. Em reação aos comentários, o rand sul-africano ampliou a queda em relação ao dólar que apresentava desde cedo.

"As recentes turbulências sentidas pelos mercados emergentes são um alerta de que nós precisamos tomar medidas corretivas urgentemente ou vamos piorar", disse Gordhan durante apresentação do orçamento anual do governo ao Parlamento.

Gordhan afirmou que o orçamento de US$ 97 bilhões para o ano fiscal que irá de 1º de abril deste ano até março de 2017 carregará um déficit equivalente a 3,2% do Produto Interno Bruto (PIB), menor do que o previsto em outubro. Segundo o ministro, esse déficit será alcançado apesar do crescimento econômico baixo de 1% previsto para este ano por causa de cortes em gastos com agências públicas e elevações de impostos sobre ganhos de capital, gasolina e bebidas.

Os investidores estrangeiros têm se afastado da moeda, dos bônus e das ações da África do Sul durante o último ano. O rand perdeu um terço do valor em relação ao dólar durante esse período. As principais agências de classificação de risco atribuem ao país notas apenas um grau acima do nível especulativo. "Precisamos garantir que façamos tudo que for preciso para evitar um rebaixamento",

"Nós precisamos de ação, não apenas palavras. Estamos cientes das dificuldades que enfrentamos", declarou Gordhan aos parlamentares. "temos de garantir que façamos o que for preciso para evitar um rebaixamento", acrescentou.

A fuga dos investidores da África do Sul se acelerou em dezembro, quando o presidente Jacob Zuma inesperadamente destituiu o então ministro de Finanças, Nhlanhla Nenê. Depois da nomeação desastrosa de um parlamentar desconhecido, Zuma recuou e reconduziu Gordhan ao cargo que ele já havia ocupado entre 2009 e 2014.

A volta de Gordhan ajudou a colocar o rand de novo na faixa de cerca de 15 rands por dólar, em comparação com as mínimas de 18 rands por dólar atingidas no mês passado.

No entanto, embora o ministro tenha prometido cortar os gastos e priorizar investimentos na infraestrutura do país, ele também tem sido franco sobre as consequências da desaceleração do crescimento do país. "Nossa economia não está crescendo o suficiente para aumentar o emprego ou melhorar a renda média", disse Gordhan. A taxa de desemprego oficial do país está em 25,5%. "Baixo crescimento, alto desemprego, extrema desigualdade e fraturas prejudiciais na nossa sociedade - isso é inaceitável para todos nós", destacou. Fonte: Dow Jones Newswires.