23°
Máx
12°
Min

Movimento técnico faz dólar virar e subir 0,15% ante o real

O dólar sustentou perdas ante o real durante praticamente toda esta quinta-feira, 25, sob influência de fatores internos e externos. Só que, na reta final dos negócios, operações com cupom cambial de curto prazo, que levaram as taxas a terem fortes altas neste mercado, espalharam pelas mesas a percepção de que uma grande saída de dólares do País poderia estar ocorrendo. Isso fez com que, passado o período de ajuste dos contratos futuros de dólar, investidores saíssem comprando moeda, em meio aos rumores de fluxo de saída. O resultado foi a virada do dólar para o positivo, com a moeda à vista encerrando em alta de 0,15%, aos R$ 3,9636.

Na abertura dos negócios, o viés negativo para o dólar ante o real era justificado, nas mesas de operação, por certo apetite ao risco no exterior e por um movimento de redução de perdas do petróleo. Os dados divulgados no Brasil pela manhã - de desemprego pelo IBGE (7,6% em janeiro) e de arrecadação pela Receita (R$ 129,385 bilhões) - corroboraram a percepção ruim em relação à economia brasileira. No câmbio, os números poderiam ser motivo para um avanço do dólar ante o real, mas acabaram em segundo plano.

Isso porque, na visão de alguns profissionais, ainda repercutiam nos negócios os desdobramentos mais recentes da Operação Lava Jato, que levou o marqueteiro das campanhas de Dilma, João Santana, para a cadeia. "Há muita expectativa com a Lava Jato. Mesmo quando o dólar chegou a cair 3% mais cedo, o dólar persistiu na queda no Brasil", comentou Cleber Alessie Machado, operador da H. Commcor DTVM. Por trás disso está o raciocínio de que, se a Lava Jato enfraquecer Dilma a ponto de tirá-la do Planalto (via ação no TSE ou impeachment no Congresso), a economia vai se recuperar mais rapidamente.

Mais para o fim da tarde, porém, o cenário mudou. Profissionais ouvidos pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, destacaram um movimento atípico no mercado de cupom cambial - DDI, com os contratos de curto prazo. As taxas destes contratos subiram, o que, em tese, pode indicar algum movimento de saída de recursos do País. "Surgiram especulações de que poderia estar havendo saída, por causa do cupom. Assim, depois do ajuste do dólar futuro (que ocorre entre 15h50 e 16h00), muitos players saíram comprando moeda", comentou um profissional de banco.

O dólar à vista acabou virando para o positivo na reta final do dia e encerrou cotado nos R$ 3,9636 (+0,15%). A moeda para março, que fecha apenas às 18h15, subia no fim da tarde 0,09%, aos R$ 3,9585.