21°
Máx
17°
Min

Número de pequenos exportadores no Paraná cresceu 16% em cinco anos

Número de pequenos exportadores no Paraná cresceu 16% em cinco anos

Mesmo com a crise econômica, as pequenas empresas do Paraná ampliaram sua presença no mercado externo nos últimos anos. Levantamento do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes) mostra que, em 2010, o Paraná tinha 1.358 pequenas empresas exportadoras – com vendas externas de até US$ 1 milhão por ano. No ano passado, esse número estava em 1.575 empresas, um crescimento de 16% no período. 

A pesquisa toma como base dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. 

O avanço das empresas de pequeno porte do Paraná no Exterior supera a média nacional. No mesmo período, o número de pequenos exportadores passou de 16.176 para 17.380 no país, alta de 7,4%. 

O Estado ocupa a terceira posição entre as unidades da federação com maior número de pequenos exportadores, atrás apenas de São Paulo e Rio Grande do Sul, à frente de Rio de Janeiro e Minas Gerais. Entre 2010 e 2015, a participação no Paraná no total de pequenos exportadores do País nacional saltou de 8,4% para 9,1%. 

“O Paraná tem uma tradição exportadora e empreendedora, o que ajuda a explicar esse destaque maior em termos nacionais. A participação das exportações sobre o PIB (Produto Interno Bruto) é de 13% no Paraná, contra uma média de 10% no Brasil”, diz Julio Suzuki Júnior, diretor presidente do Ipardes. 

“O interessante é que as pequenas empresas estão se apropriando do câmbio mais favorável para exportar mais e compensar a retração no mercado interno. E o impacto social dos pequenos é maior, porque são grandes geradores de emprego”, acrescenta. 

Abrindo Mercados

A fabricante de cachaça paranaense Porto Morretes, que atualmente exporta entre 70% e 80% da sua produção aos Estados Unidos, é um exemplo de como as empresas pequenas estão conseguindo abrir mercado no Exterior. 

A empresa, que fabrica de 60 mil a 70 mil litros de cachaça por ano, se prepara para fazer sua estreia no mercado europeu ainda esse ano. 

“Nosso começo foi difícil, mas abrimos mercado com viagens, visitas a feiras e contatos de redes de importadores”, diz Fulgêncio Torres, um dos fundadores da empresa, criada em 2003 em Morretes, no litoral do Estado. 

Hoje a empresa vende cachaça premium para redes de bares e restaurantes nos Estados Unidos onde é usada para fazer coqueteis. As exportações somam US$ 400 mil por ano. 

Com apoio do BRDE e da Fomento Paraná, a empresa investiu, há três anos, na ampliação da sua infraestrutura. “Investimos para ampliar nossas instalações e equipamentos e chegamos a exportar com prejuízo quando o dólar foi a R$ 1,60. Agora, depois do mercado interno capotar, exportar é a única saída”, diz. O objetivo da empresa é crescer de 20% a 30% ao ano e ampliar o número de funcionários de 15 para 20 até o fim do ano. 

Dólar Favorável

O levantamento do Ipardes mostra que o maior salto no número de pequenos exportadores se deu no ano passado, quando as empresas começaram a se beneficiar do dólar mais favorável. O número passou de 1.431 para 1.575. Um dado relevante, de acordo com Suzuki Júnior, é que esses exportadores são dos ramos mais diversos, de confecções a madeireiras, passando por fabricantes de metais, plástico, eletrodomésticos, computadores e companhias ligadas ao agronegócio. 

Para 2016, o câmbio mais favorável traz boas expectativas para os exportadores. “Tudo indica que nesse ano o Paraná reverte os dois anos consecutivos de queda nas exportações”, diz Julio Suzuki Júnior. 

No acumulado do primeiro quadrimestre, as exportações totais do Paraná cresceram 10,88% em relação ao mesmo período do ano passado e totalizaram US$ 4,86 bilhões.

Colaboração AENPr.