23°
Máx
12°
Min

Para Temer, aprovação da PEC dos gastos "demonstra seriedade da classe política"

Para Temer, aprovação da PEC dos gastos "seriedade da classe política"

Em jantar realizado na noite desta terça-feira (4) com líderes da base aliada, o presidente da República, Michel Temer, defendeu a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabelece limites dos gastos públicos.

O encontro teve como anfitrião o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Entre os presentes estavam o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil), Henrique Meirelles (Fazenda), Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo), Maurício Quintella Lessa (Transportes) e Fernando Filho (Minas e Energia).

"Não é uma preocupação do governo, do Temer, mas uma preocupação do Brasil... a aprovação da PEC do Teto é uma demonstração da seriedade da classe política do País", afirmou Michel Temer para os presentes.

Na reunião, o presidente também mencionou a campanha de televisão que o governo criou para tentar esclarecer à população a necessidade de se estabelecer um teto para os gastos públicos. O discurso de Temer durou cerca de 5 minutos e ao encerrá-lo, ele foi aplaudido pelos líderes presentes.

Antes do presidente falar, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, apresentou alguns números os sobre o impacto da PEC e assegurou que tanto a área da Saúde da Educação, principal ponto de polêmica da proposta não serão atingidos.

As rodadas de conversas entre Temer e ministros com integrantes da base deverão se intensificar até às vésperas da votação no plenário da Câmara, prevista para iniciar na próxima segunda-feira e encerrar no dia seguinte.

Seguindo esse calendário, o governo conseguirá aprovar a PEC na Casa uma semana antes da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que definirá o rumo da taxa básica de juros da economia, a Selic. O Banco Central tem destacado o ajuste fiscal como uma das condições para que seja possível reduzir os juros. A intenção é abrir caminho para a primeira queda na taxa desde 2012.

Depois de passar pela Câmara, a PEC segue para discussão no Senado. Em conversa com o Broadcast nesta terça-feira, o presidente da Casa, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), sinalizou que deverá colocar a proposta em discussão o quanto antes. "Não há como não ser uma votação célere", afirmou o peemedebista. (Erich Decat)