24°
Máx
17°
Min

Paraná deve colher até 46 milhões de toneladas de cana-de-açúcar

(Foto: AENPr) - Paraná deve colher até 46 milhões de toneladas de cana-de-açúcar
(Foto: AENPr)

O Paraná deu início, em abril, à colheita da safra de cana-de-açúcar 2016/2017 e a previsão é de uma produção entre 44 milhões a 46 milhões de toneladas, de acordo com estimativa do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento. 

A projeção aponta para estabilidade na área em relação à safra anterior (2015/2016), mas com rendimento menor, impactado pela renovação das plantas, pelo clima e a própria readequação dos produtores ao mercado, de acordo com o economista Disonei Zampieri, especialista na área no Deral. A produção na safra 2015/2016 havia ficado em 50,8 milhões de toneladas, praticamente estável em relação ao período anterior (2014/2015). A colheita vai de abril desse ano até março de 2017.

A área estimada para a safra atual é de 610 mil a 621,8 mil hectares, com um rendimento de 72 mil a 74,5 mil quilos por hectare. A produção de açúcar deve ficar entre 2,89 milhões de toneladas e 3,26 milhões de toneladas. A produção de álcool deve ficar entre 1,65 bilhão de litros e 1,67 bilhão de litros. 

O Paraná deve permanecer como o quinto maior produtor de cana, terceiro de açúcar e quinto de álcool. Mais da metade da cana colhida é transformada em açúcar (52%) e 48% em álcool.

O setor sucroalcooleiro no Estado tem 25 usinas em operação e emprega cerca de 55 mil pessoas (incluindo os temporários contratados no período da colheita). As regiões de Umuarama, Paranavaí, Maringá e Jacarezinho concentram a produção no Estado.

Alcopar

De acordo com o presidente da Associação de Produtores de Bioenergia do Paraná (Alcopar), Miguel Tranin, o ano de 2016 começou atípico, com um ritmo de moagem acelerado no primeiro trimestre, quando tradicionalmente as usinas reduzem o movimento à espera da safra nova. 

Em março, o setor bateu recorde no Paraná, com o processamento de 3,081 milhões de toneladas de cana. Tranin explica que, devido às chuvas, o volume de moagem no fim do ano passado estava abaixo do esperado, com 39 milhões de toneladas. 

“As usinas, então, aproveitaram o início do ano para fazer a moagem. Com isso, não teremos a cana bisada, que é a cana-de-açúcar proveniente da safra anterior que é processada no ano seguinte, para ser computada no período 2016/2017”, diz Miguel Tranin. A previsão da Alcopar é de uma produção próxima da registrada na safra anterior, com 43 milhões de toneladas de cana, diferente da estimativa da Secretaria estadual da Agricultura (de 44 a 46 milhões).

O setor ainda sente os efeitos da crise econômica mundial de 2008 e da mudança de estratégia do governo federal, que passou a concentrar investimentos no pré-sal. Com a falta de estímulo, as usinas deixaram de investir na ampliação da área e da produção. 

Para Tranin, 2016 ainda será um ano de desafios, mas as perspectivas são mais otimistas. “A nossa expectativa é de uma melhora a partir de 2017, principalmente nos preços e na rentabilidade da atividade”, diz. O consumo de etanol vem batendo recorde. No ano passado, as vendas no Brasil totalizaram 17,8 bilhões de litros, o que representou uma alta de 38% sobre os números de 2014.

De acordo com Tranin, a previsão é de uma melhora também dos preços internacionais do açúcar com a perspectiva de redução dos estoques mundiais e uma menor participação de grandes produtores, como Índia e Tailândia, no mercado global.

Colaboração AENPr.