27°
Máx
13°
Min

Paraná já interrompeu processo de retração da economia

( Foto: Arquivo ANPr) - Paraná já interrompeu processo de retração da economia
( Foto: Arquivo ANPr)

A evolução dos principais indicadores econômicos do Paraná sugere acomodação do processo de retração da atividade no Estado. A conclusão é do boletim regional do Banco Central, que foi divulgado na última sexta-feira. De acordo com a instituição, o IBCR (Índice de Atividade Econômica Regional), que é uma espécie de prévia dos números do PIB, cresceu 0,7% no trimestre terminado em maio no Estado. No mesmo período, o Brasil registrou uma retração de 1%. 

No relatório, o Banco Central destaca que o desempenho o Paraná foi puxado por resultados positivos do comércio e da indústria e das exportações, além da recuperação, ainda que modesta dos índices de confiança dos agentes econômicos. 

Sair antes

A instituição analisou a evolução de indicadores como produção, vendas, emprego, preços, comércio exterior e de confiança. “Não dá para dizer que o Paraná saiu da crise, mas é um indicador importante que, se mantido nos próximos trimestres, pode apontar para a saída. O Estado entrou depois em recessão e tudo indica que pode sair antes dela”, diz o diretor presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes), Julio Suzuki Júnior. 

O resultado do Paraná no trimestre até maio apresenta uma melhora em relação aos anteriores. Entre dezembro de 2015 e fevereiro de 2016, o IBCR havia caído 1% e, entre setembro e novembro de 2015, recuo havia sido de 1,3%. 

Indústria

Um dos destaques no último trimestre analisado pelo Banco Central foi o da retomada, ainda que tímida, da indústria. Citando números do IBGE, o Banco Central afirma que a produção da indústria paranaense aumentou 0,4% no trimestre encerrado em maio, em relação ao terminado em fevereiro, quando havia decrescido 3,3%. 

A instituição destaca que houve acréscimos na produção em seis das treze atividades pesquisadas. As maiores altas foram na produção de máquinas e equipamentos, com 35,0%; máquinas, aparelhos e materiais elétricos (13,4%) e produtos alimentícios (4,8%). 

“A indústria dá sinais de melhora porque vem conseguindo reduzir seus estoques, o que é um dado positivo e abre espaço para uma retomada futura”, diz Suzuki Júnior, do Ipardes. 

Exportações

O bom resultado nas exportações também contribuiu para o aumento da atividade do Estado, com aumentos nas vendas de produtos básicos, de 12,8%, puxada pela soja e pelo milho, e nas de produtos manufaturados, de 1,6%, com bom desempenho de automóveis e veículos de carga. 

As exportações para a China, Argentina e EUA representaram, em conjunto, 43,9% dos embarques do estado no semestre, destacando-se o aumento de 26,1% nas vendas de soja, mesmo triturada, para a China. 

O comércio, por sua vez, apresentou, de acordo com o Banco Central, ligeira melhora no trimestre finalizado em maio, o que ajudou a melhorar o nível de atividade econômica. De acordo com dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) do IBGE, o comércio varejista, excluída a estabilidade nas vendas de veículos e o recuo de 0,7% nas de material de construção, aumentou 0,4 % no período, contra a queda de 2,8% no trimestre encerrado em fevereiro. 

Continuidade

Em nota, no entanto, o Banco Central diz que a retomada paranaense depende ainda da “continuidade da melhora da confiança dos agentes econômicos; da manutenção do dinamismo do comércio externo; e dos efeitos favoráveis do processo de ajuste macroeconômico em curso no País”. 

Para Suzuki Junior, do Ipardes, a retomada especialmente do setor de comércio e serviços, assim como o mercado de trabalho, ainda deve demorar um pouco. “Essas áreas demoraram mais para desacelerar e também devem ter uma retomada mais lenta. Vão depender de uma recuperação mais forte da economia nos próximos trimestres”, diz.

Colaboração AENPr