24°
Máx
17°
Min

Petróleo cai 3% e impõe realização de lucros na Bovespa

A Bovespa inicia agosto muito diferente de como encerrou o mês passado, quando saltou mais de 11%. Segundo operadores, nesta segunda-feira, 1, chegou a hora de reavaliar as carteiras e devolver parte dos ganhos acumulados, num movimento de realização engatilhado pela cautela externa e, principalmente, pela fraqueza do petróleo no exterior. Com o barril da commodity negociado abaixo dos US$ 40 na Nymex durante boa parte da tarde, as ações da Petrobras encerraram em queda de mais de 5% este primeiro pregão de agosto e lideraram as perdas do índice à vista, que perdeu o patamar dos 57 mil pontos. Mas Vale também teve sua parcela de culpa, ao terminar em queda de mais de 3%. O desempenho da mineradora, por sinal, reforça o viés técnico do pregão desta segunda-feira, uma vez que contrariou o movimento de valorização do minério de ferro no exterior.

O Ibovespa encerrou a sessão em queda de 0,96%, aos 56.755,75 pontos, não muito distante da mínima, quando recuou aos 56.676 pontos (-1,10%). O índice à vista chegou a abrir em alta, tentando dar continuidade à trajetória de ganhos recentes, mas só se sustentou em território positivo até por volta de 11h30, quando rendeu-se ao pessimismo externo. No começo dos negócios, chegou a avançar 0,73% na máxima, aos 57.729 pontos. O giro financeiro somou R$ 6,62 bilhões. Em 2016, o Ibovespa acumula valorização de 30,93%.

"Uma hora tem que realizar, o Ibovespa estava devendo isso depois de subir mais de 11% no mês passado. Como subiu muito, chega uma hora em que o investidor começa a ver quanto já ganhou no papel e decide que é melhor embolsar o lucro e sair", comentou um operador de renda variável. O profissional acredita que o desempenho do Ibovespa hoje esteja muito ligado a esse movimento técnico, embora seja impossível, em sua avaliação, desvincular a influência do petróleo.

O profissional lembra que amanhã, antes da abertura do mercado, será divulgado o balanço trimestral do Itaú Unibanco, responsável pelo papel de maior peso no Ibovespa, o que também colabora para manter o investidor na retranca. "Os balanços acabam trazendo a Bovespa um pouco para a realidade. A bolsa subiu muito em função da recomposição de preços, as ações estavam muito amassadas, então essa temporada de balanços pode acabar dando um 'choque de realidade' e ajudar a ajustar um pouco os papéis para o preço devido", comentou o operador.

Com o pior desempenho do Ibovespa no pregão de hoje, a Petrobras viu suas ações terminarem em queda de 5,85% (ON) e 5,22% (PN), devolvendo parte dos ganhos de mais de 10% do mês de julho. A pressão veio principalmente das cotações do petróleo, que caíram forte em meio a relatos de que a produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) pode ter crescido em julho e diante do aumento do número de plataformas em operação nos Estados Unidos.