20°
Máx
14°
Min

Petróleo volta a pesar e preços das importações nos EUA caem 0,2% em agosto

Os preços das importações nos Estados Unidos tiveram queda de 0,2% em agosto ante o mês anterior, pela primeira vez desde fevereiro, um sinal de que os preços historicamente baixos do petróleo continuam a pesar sobre a inflação. Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam queda de 0,1%.

Na comparação anual, os preços das importações - que medem os custos de tudo, desde vegetais mexicanos até carros japoneses - apresentaram queda de 2,2% em agosto. O recuo anual é o menor desde outubro de 2014 no país - os preços dos importados não aumentam na base anual há dois anos no país, em grande parte devido aos preços do petróleo, que despencaram em meados de 2014 e ainda estão longe dos US$ 100 o barril, valor atingido nos três anos anteriores.

Em julho, os preços de importação subiram 0,1% em relação ao mês anterior. Diferentemente da maioria dos indicadores de inflação, os preços dos importados não são ajustados sazonalmente. Esses preços de importados podem influenciar a inflação em geral, mas raramente são o único fator para isso. O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) subiu 0,8% na comparação anual em junho nos EUA. O Departamento do Trabalho divulgará a leitura de julho do CPI nesta sexta-feira.

Os preços das importações tendem a variar mais que os preços para os consumidores. Após um recuo em 2015 e no início deste ano, o índice de preços das importações avançava há cinco meses consecutivos, antes da queda em agosto.

A queda do mês passado foi liderada por uma retração nos preços do petróleo. O preço de importação, excluindo o petróleo, ficou estável depois de subir 0,5% em julho. Na comparação anual, a categoria está em baixa de 0,9%. Os preços para suprimentos industriais não-petrolíferos aumentaram 0,6% em agosto e os preços de alimentos, rações e bebidas caíram 0,5%. Os preços dos veículos e peças importados recuaram 0,2% pelo segundo mês consecutivo. Fonte: Dow Jones Newswires.