24°
Máx
17°
Min

Polêmica na Codesp pode afetar obras de expansão da VLI

A falta de consenso entre a diretoria da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), que administra o Porto de Santos, o maior da América Latina, pode atrasar as obras de expansão da VLI, empresa de logística que tem a mineradora Vale (37,6%), a gestora canadense Brookfield (26,5%) e a japonesa Mitsui (20%) como principais acionistas.

Nesta quarta-feira, 14, uma parte da diretoria da Codesp deverá analisar um relatório de técnicos da estatal que poderá aprovar ou não o prosseguimento das obras de dragagem para expansão do terminal da VLI, apurou o Estado com uma fonte próxima ao assunto. Na sexta-feira, o martelo será batido de vez sobre o assunto, afirmou essa fonte.

O impasse ganhou força no início do mês, quando os diretores da Codesp discordaram da posição do presidente da estatal, Alex Oliva, de liberar definitivamente as obras de dragagem da VLI, que está investindo cerca de R$ 3 bilhões para ampliar sua presença no porto.

A polêmica, segundo fontes, é que para fazer as obras de dragagem - necessárias para o terminal portuário receber navios de maior porte - seria necessário escavar uma grande quantidade de lama, que poderia estar contaminada com material tóxico, na região de Cubatão (litoral paulista), e transportar para uma área cedida pela Codesp, que fica em alto-mar e a cerca de 40 km dessa região. Parte da diretoria pediu mais estudos de viabilidade de risco, mas o presidente da Codesp teria autorizado a continuidade das obras.

Procurado pelo jornal O Estado de S. Paulo, Alex Oliva disse que houve um "mal entendido". Segundo ele, as discussões sobre as obras de expansão da VLI ocorrem há pelo menos dois anos. Em julho, a Codesp deu uma pré-autorização para as obras de dragagem. "A expectativa era de que a homologação se tornasse definitiva."

Oliva afirmou que uma parte dos diretores pediu mais prazo para aprovar as obras para dragagem. "Essas discussões ocorrem há muito tempo e a VLI contratou uma empresa que está acompanhando todo esse processo que não é nocivo ao meio ambiente", disse.

Esta semana, segundo o presidente da Codesp, a diretoria vai reavaliar se as obras podem continuar ou não. "Mas as obras não estão paradas", ressaltou. Uma fonte próxima aos outros diretores afirma que o objetivo não é barrar a expansão da VLI, mas tomar medidas mais cautelosas.

Procurada, a VLI não vai comentar a discussão envolvendo a polêmica da Codesp.

Expansão

As obras de ampliação do Tiplam (Terminal Integrador Portuário Luiz Antonio Mesquita) é uma das maiores em curso no segmento portuário privado e permitirá que o porto amplie seus volumes de escoamento dos produtos movimentados (fertilizantes, enxofre e amônia) e passe também a exportar grãos e açúcar.

A conclusão das obras está prevista para 2017. O volume movimentado saltará dos atuais 2,5 milhões de toneladas anuais para 15 milhões.

As obras para de dragagem do Canal de Piaçaguera começaram em 2013 e atualmente têm cerca de 90% dos trabalhos concluídos, segundo a empresa. O projeto de expansão do Tiplam obteve autorização dos órgãos competentes, como Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) e Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) e foi chancelado como prioritário pela Secretaria de Portos (SEP). A VLI diz que obteve em julho anuência prévia da Codesp para as obras de dragagem. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.