22°
Máx
16°
Min

Produção industrial cresce em 12 dos 24 ramos investigados em março, diz IBGE

A produção industrial cresceu em 12 dos 24 ramos investigados na passagem de fevereiro para março, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A principal influência positiva foi dos produtos alimentícios, que avançaram 4,6%, eliminando o recuo de 2,1% acumulado entre janeiro e fevereiro de 2016.

Segundo o gerente da Coordenação de Indústria do IBGE, André Macedo, o setor foi beneficiado pelas condições climáticas favoráveis à safra de açúcar e derivados de soja e ao cenário favorável à exportação de carnes.

"Mas produtos alimentícios não fogem da leitura que fazemos para os demais segmentos. Eles vêm de duas taxas negativas consecutivas, gerando uma perda de 2,1%. Claro que o avanço suplanta a queda acumulada, mas a base de comparação mais baixa também explica a magnitude de crescimento para o setor neste mês", disse Macedo.

Outras contribuições positivas relevantes para o avanço de 1,4% no total da indústria em março ante fevereiro foram de máquinas e equipamentos (8,5%), produtos farmoquímicos e farmacêuticos (8,3%), veículos automotores, reboques e carrocerias (2,7%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (3,6%) e produtos de madeira (4,2%).

Na direção oposta, o destaque entre os onze ramos que reduziram a produção foi o de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, que recuou 6,5%, interrompendo três meses de taxas positivas consecutivas, quando acumulou expansão de 8,1%. Outros impactos negativos relevantes foram observados nos setores de celulose, papel e produtos de papel (-3,1%), indústrias extrativas (-0,9%), metalurgia (-2,1%), produtos de borracha e de material plástico (-2,9%) e móveis (-4,6%).