23°
Máx
12°
Min

Projeção do câmbio para fim de 2016 cai em R$ 3,30 para R$ 3,29, diz BC

O Relatório de Mercado Focus mostrou leve mudança na estimativa para o câmbio deste ano. O documento divulgado nesta segunda-feira, 29, pelo Banco Central indicou que a cotação da moeda estará em R$ 3,29 no encerramento de 2016, abaixo dos R$ 3,30 da projeção da semana anterior. Um mês atrás, estava em R$ 3,30. O câmbio médio de 2016 permaneceu em R$ 3,43 - um mês antes, estava em R$ 3,46.

Para o fim de 2017, a mediana para o câmbio seguiu em R$ 3,45 de uma divulgação para a outra - quatro semanas atrás estava em R$ 3,50. Já o câmbio médio de 2017 foi de R$ 3,40 para R$ 3,38 de um levantamento para o outro - estava em R$ 3,45 um mês atrás.

Nas últimas semanas, o Banco Central seguiu com sua estratégia de leilões diários de swap cambial reverso, cujo efeito nas cotações é equivalente à compra de dólares no mercado futuro. Com isso, vem reduzindo gradativamente sua posição vendida em swaps cambiais tradicionais, hoje em torno de US$ 41 bilhões.

Nas cotações, isso tem apenas minimizado a tendência mais recente de baixa para a moeda americana em função do ambiente externo. Atualmente, a cotação à vista está próxima de R$ 3,26 - abaixo dos R$ 3,29 da mediana do mercado, contida na Focus, para o fim deste ano.

Balança comercial

Apesar do recuo acumulado do dólar ante o real neste ano, as projeções do mercado financeiro para a balança comercial seguem fortes. Nesta semana, pelo Relatório de Mercado Focus, a estimativa de superávit comercial este ano seguiu em US$ 50,00 bilhões. Um mês atrás, estava em US$ 51,10 bilhões. Na estimativa mais recente do BC, o saldo positivo de 2016 ficará em US$ 50 bilhões.

Para 2017, houve melhora e as estimativas de superávit comercial foram de US$ 48,40 bilhões para US$ 49,81 bilhões de uma semana para outra - ante US$ 50,00 bilhões de um mês antes.

Conta corrente

No caso da conta corrente, as previsões para 2016 continuam com um déficit de US$ 15,00 bilhões, pela décima edição consecutiva. Para 2017, o mercado passou a prever um rombo nas contas externas de US$ 23 bilhões, acima da projeção de US$ 20 bilhões de uma semana antes. Um mês atrás, o rombo projetado era de US$ 14,45 bilhões. Na semana passada, o BC informou que de janeiro a julho deste ano o País acumulou um déficit na conta corrente de US$ 12,541 bilhões.

IDP

Para os analistas consultados semanalmente pelo BC, o ingresso de Investimento Direto no País (IDP) será mais do que suficiente para cobrir o resultado deficitário neste e no próximo ano. A mediana das previsões para o IDP em 2016 permaneceu em US$ 65,00 bilhões de uma semana para a outra - mesmo patamar de um mês antes. No acumulado deste ano até julho, o IDP somou US$ 33,894 bilhões. Nas projeções mais recentes do BC, a perspectiva é de ingresso de US$ 70 bilhões de IDP no País em 2016.

Para 2017, a perspectiva de volume de entradas de investimento direto, de acordo com o Focus, permaneceu em US$ 65 bilhões, também o mesmo montante de um mês atrás.