24°
Máx
17°
Min

Projeção para IPCA de 2016 sobe de 6,94% para 7,00% na pesquisa Focus do BC

Depois de oito semanas consecutivas em queda, a mediana das projeções para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2016 teve alta no Relatório de Mercado Focus divulgado nesta segunda-feira, 9, pelo Banco Central (BC). Agora, a taxa está em 7,00% ante 6,94% da semana passada, mas ainda abaixo dos 7,14% projetados quatro semanas atrás.

O foco do Banco Central para alcançar a meta de inflação de 4,5% não é mais 2016, mas sim 2017. No caso do ano que vem, a mediana caiu de 5,72% para 5,62%. Há quatro semanas estava em 5,95%.

No Top 5, grupo de analistas que mais acerta as projeções, o ponto central da pesquisa para 2016 registrou queda, passando de 7,05% para 6,92%. Há quatro semanas, essa mediana estava em 7,06%. Para 2017, o grupo revisou a perspectiva para o IPCA de 5,90% na última semana para 5,50%. Há quatro edições atrás do boletim Focus, estava em 6,20%.

No Relatório Trimestral de Inflação (RTI) divulgado em março, a estimativa do BC para o IPCA de 2016 estava em 6,6% no cenário de referência e 6,9% no cenário de mercado.

Para a inflação de curto prazo, a estimativa para maio teve uma leve alta, de 0,50% para 0,52% de uma semana para outra, ante taxa de 0,50% verificada há um mês. No caso de junho, a taxa ficou mantida em 0,34% de uma semana para outra. Quatro semanas atrás estava em 0,35%. Já as expectativas para a inflação suavizada 12 meses à frente caíram, passando de 6,19% para 6,15% - quatro edições atrás estavam em 6,43%.

Administrados

As projeções do mercado financeiro para os preços administrados de 2016 foram revisadas para cima. De acordo com o Relatório de Mercado Focus, a mediana das expectativas para este ano ficou em 7,00% nesta semana, contra 6,95% da semana passada. Estava em 7,20% há quatro semanas.

O Banco Central conta com uma forte desaceleração dos preços monitorados pelo governo para deixar o IPCA abaixo do teto da meta em 2016. Para 2017, a mediana das estimativas para os preços administrados sofreu uma queda, indo de 5,73% na semana passada para 5,50% - há quatro semanas estava em 5,70%.

Na última ata do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada na semana passada, o Banco Central informou que projeta uma alta de 6,8% nos preços administrados em 2016, ante uma previsão anterior de elevação de 5,8%. Entre outros fatores, essa projeção considera reajuste médio de 19,0% nas tarifas de água e esgoto, de 12,8% nos preços dos medicamentos e redução de 3,2% nos preços da energia elétrica. Para 2017, a expectativa apresentada é de uma alta de 5,0%.

IGPs e IPC-Fipe

As previsões para o Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) de 2016, que ficaram em 7,12% no Relatório de Mercado Focus da semana passada, foram revisadas para baixo no documento divulgado nesta segunda pelo Banco Central. A mediana para o indicador deste ano foi para 7,03% - um mês atrás estava em 7,40%. No caso do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) de 2016, a taxa mediana foi mantida em 7,35%, contra a expectativa de 7,47% apresentada um mês atrás.

Para 2017, a previsão central da pesquisa Focus para o IGP-DI ficou em 5,59%, ante 5,60% da semana passada - há um mês, estava em 5,50%. Em relação ao IGP-M, o ponto central da pesquisa ficou em 5,60%. Na semana passada estava em 5,62% e há um mês, 5,61%.

A estimativa para o Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe), que mede a inflação para as famílias de São Paulo, teve uma alta, indo de 7,00% para 7,04% de uma semana para outra para o horizonte de 2016 - um mês antes, a mediana das projeções do mercado para o IPC era de 7,27%. Para 2017, a expectativa passou de 5,40% para 5,50% - estava também em 5,50% um mês atrás.