27°
Máx
13°
Min

Suzano registra lucro de R$ 341 mi no 4º tri e prejuízo de R$ 925,4 mi em 2015

A Suzano Papel e Celulose reverteu o prejuízo de R$ 197 milhões no quarto trimestre de 2014 em lucro líquido de R$ 341 milhões no mesmo período de 2015.

De outubro a dezembro do ano passado, o Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado somou R$ 1,226 bilhão, um crescimento de 48,4% na comparação com o mesmo período de 2014. A margem Ebitda ajustada passou de 38% para 45,3%.

A receita líquida subiu 24,5% na comparação com o quarto trimestre de 2014, para R$ 2,709 bilhões em 2015. Do total, R$ 1,842 bilhão foi proveniente do mercado externo, uma alta de 39,3% contra igual intervalo de 2014. O mercado interno, por sua vez, cresceu 1,6%, para R$ 867 milhões.

No quarto trimestre do ano passado, o resultado financeiro líquido ficou negativo em R$ 135 milhões, uma queda de 81,7% contra 2014.

2015

No acumulado do ano de 2015, a Suzano registrou prejuízo de R$ 925,4 milhões no ano de 2015, uma piora de 253% na comparação com 2014, quando o prejuízo foi de R$ 261,5 milhões.

O Ebitda ajustado totalizou R$ 4,593 bilhões no ano passado, um avanço de 87% na comparação com 2014. A margem Ebitda ajustada subiu de 33,8% para 44,9%.

A receita líquida de janeiro a dezembro de 2015 foi a R$ 10,224 bilhões, 40,7% superior ao registrado em 2014.

A Suzano apresentou despesas financeiras líquidas de R$ 4,428 bilhões, 178% maiores que as despesas de R$ 1,593 bilhão em 2014. Segundo o relatório de administração da empresa, o aumento se deve principalmente à variação cambial no período e ao resultado de operações com derivativos, que ficou negativo em R$ 630,3 milhões ante R$ 57,4 milhões também negativo em 2014. Já as variações monetárias e cambiais impactaram o resultado da empresa em R$ 2,828 bilhões.

Abaixo do previsto

O lucro de R$ 341 milhões da Suzano Papel e Celulose no quarto trimestre de 2015 veio 34,8% abaixo do esperado pelos analistas consultados pelo Broadcast (serviço de notícias em tempo real da Agência Estado), cuja média das projeções de cinco casas - Santander, Morgan Stanley, Bradesco, Itaú BBA e BTG Pactual - apontava para um resultado de R$ 523,4 milhões.

O Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado, de R$ 1,226 bilhão, ficou dentro do esperado, que era de R$ 1,274 bilhão, de acordo com a média das estimativas.

A receita líquida de outubro a dezembro do ano passado, de R$ 2,709 bilhões, também veio em linha com o esperado, de R$ 2,825 bilhões.

O Broadcast considera que o resultado está em linha com as projeções quando a variação para cima ou para baixo é de até 5%.