22°
Máx
16°
Min

Uberaba decreta crise financeira

Localizada no Triângulo Mineiro, uma das regiões mais ricas do Brasil, Uberaba (MG) também é vítima das dificuldades enfrentadas pelos municípios. Há pouco mais de um mês, o prefeito Paulo Piau (PMDB) baixou um "Decreto de Crise Financeira". No documento, ele aponta problemas como a queda na arrecadação e nas transferências de receitas.

Segundo o prefeito, caso a situação se agrave ainda mais, serão feitas adequações no texto. "Se necessário, chegaremos ao Decreto de Calamidade Financeira." O documento destaca ainda a falta de perspectiva de melhoria na arrecadação em curto prazo e a dificuldade do município de quitar a folha de pagamento, sendo necessário o parcelamento. Enumera também gastos que deveriam ter ajuda do Estado ou da União - caso dos pacientes de 80 municípios que são atendidos em Uberaba.

"Estamos lutando para manter os serviços essenciais, pois educação, saúde e coleta de lixo não podem parar", diz Paulo Piau. Com o decreto, dinheiro para setores não essenciais passaram a ser liberados apenas com o aval do "gabinete de gerenciamento da crise".

Ainda assim, o serviço de saúde tem apresentado problemas graves. São apenas quatro ambulâncias e somente uma delas tem suporte avançado. O secretário de Saúde de Uberaba, Marco Túlio Cury, concorda que é pouco, mas alega ter o apoio da unidade de socorro dos bombeiros. Mas ela nem sempre está disponível.

No início do mês, a morte de um homem dentro de uma ambulância virou notícia na cidade. Marcelo Barbosa, de 51 anos, passou mal e a família chamou o socorro. Segundo sua esposa, Railide Aparecida Barbosa, além de demorar, a ambulância tinha apenas o motorista. Ela conta que o marido entrou andando na ambulância, mas depois começou a se contorcer. "Tentei fazer massagem, mas não sabia." O motorista sugeriu parar o carro e pedir socorro na rua. "Meu marido caiu morto dentro da ambulância", lamenta a mulher.

Cury alega que o homem teria morrido assim que chegou à unidade de atendimento. E que ambulâncias apenas com motoristas são deslocadas para casos não urgentes.