22°
Máx
16°
Min

Usina de Santo Antônio liga sua última turbina

- Usina de Santo Antônio liga sua última turbina

A hidrelétrica de Santo Antônio colocou em operação na semana passada a última turbina. A usina, que começou a gerar eletricidade em 2012, conseguiu acionar a 44ª turbina um mês antes do previsto em seu cronograma. A partir de agora, Santo Antônio vai produzir 2,218 mil megawatts médios, o equivalente a 4% da carga nacional e ao consumo de 40 milhões de pessoas.

O presidente da concessionária Santo Antônio Energia, Eduardo de Melo Pinto, considera que a usina atingiu o marco mais importante de sua história. É o primeiro dos grandes projetos estruturantes de energia a ficar pronto - Jirau e Belo Monte estão em fase de motorização. "Estamos gerando toda a energia prevista inicialmente. A sensação é de dever cumprido, embora os desafios não tenham se exaurido", afirmou o executivo, em entrevista exclusiva ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado.

Leiloada em 2007, a usina nas margens do Rio Madeira, em Rondônia, foi arrematada por um preço final de R$ 78,87 o megawatt hora (MWh), por um consórcio liderado por Furnas e composto por Odebrecht, Andrade Gutierrez, Cemig e um fundo de investimentos formado por Banif e Santander - hoje pertencente à Caixa Econômica.

Com custo de R$ 20 bilhões, a usina de Santo Antônio esteve próxima de quebrar. Ao longo dos últimos anos, atrasos no processo de licenciamento ambiental, greves, problemas com o rendimento de suas turbinas e a seca causaram um prejuízo de R$ 5,6 bilhões para a concessionária, calcula o presidente da Santo Antônio Energia. A empresa pleiteia o ressarcimento desses custos à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e na Justiça, onde obteve liminares para limitar o rombo.

Nove anos depois da licitação, os sócios privados iniciaram negociações para vender sua participação para companhias chinesas. O governo também já anunciou a intenção de vender a fatia de empresas do grupo Eletrobrás nos empreendimentos organizados em Sociedades de Propósito Específico (SPEs), caso da Santo Antônio Energia. "Conseguimos uma tarifa muito competitiva no leilão, mas fatores externos e imprevisíveis prejudicaram a concessionária", afirmou.

Mesmo com os problemas financeiros e as notícias a respeito da venda de fatias da concessionária, o executivo nega que a usina tenha se tornado um mau negócio. "Não acredito que os sócios estejam arrependidos, mas sim inconformados com algumas dessas situações que nos afetaram", disse. Ele ressalta, porém, que a mudança na composição acionária da concessionária não afetaria a operação do empreendimento. "A usina tem vida própria."

Região Norte

Após a entrega das 44 turbinas para o mercado nacional, a usina de Santo Antônio deve iniciar em agosto a montagem das seis máquinas destinadas exclusivamente aos Estados de Acre e Rondônia. Elas devem resolver o problema dos blecautes que atingem a região há anos. Somente no ano passado, foram 15 apagões.

A concessionária construiu 20 quilômetros de linhas de baixa tensão para conectar essas máquinas diretamente ao sistema regional da Eletronorte, em uma subestação que fica em Porto Velho, na BR-364. Assim, será possível formar uma "ilha" para elevar a estabilidade do fornecimento da região e blindá-la de eventuais quedas de abastecimento pelo linhão do Madeira.

Por estarem no fim da linha de transmissão, Rondônia e Acre são os primeiros Estados que ficam sem energia e os últimos a terem o abastecimento restabelecido.

Quando a montagem dessas turbinas for concluída, em novembro, a usina será responsável por suprir 40% da demanda dos dois Estados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.