21°
Máx
17°
Min

Vendas de aço da Gerdau caem 7% no 1º trimestre

As vendas de aço da Gerdau no primeiro trimestre de 2016 somaram 3,851 milhões de toneladas, queda de 7% em relação ao observado no mesmo período do ano passado. Ante o observado no trimestre imediatamente anterior, o recuo foi de 0,9%.

No relatório que acompanha o seu demonstrativo financeiro, a Gerdau frisa que a queda das vendas na relação anual se deve aos menores volumes de venda em uma operação no Brasil, dada a menor demanda no mercado interno. "Em relação ao quarto trimestre de 2015, o volume consolidado de vendas apresentou relativa estabilidade com comportamentos distintos nas diferentes operações de negócio", destaca a companhia no mesmo documento.

Na operação Brasil, as vendas de aço totais caíram 8,7% na relação anual para 1,422 milhão de toneladas. No entanto, se considerada apenas a venda para o mercado interno no primeiro trimestre do ano, os volumes recuaram 28,4%, para 896 mil toneladas. Ante o quarto trimestre do ano passado houve um aumento de 9,9%.

Com mercado doméstico retraído, a operação Brasil da Gerdau aumentou sua exportação em 72,5% na relação anual, para 526 mil toneladas no primeiro trimestre do ano. Ante o quarto trimestre de 2015, por outro lado, houve um recuo de 9,2%.

"As vendas no mercado interno no primeiro trimestre de 2016 se comparadas ao primeiro trimestre de 2015, apresentaram redução devido ao menor nível de atividade da construção e da indústria, ocasionado pelas incertezas econômicas. Por outro lado, as exportações apresentaram aumento em relação ao primeiro trimestre de 2015 devido às oportunidades no mercado internacional, aliadas a um câmbio favorável", destaca a Gerdau no relatório que acompanha o seu demonstrativo financeiro.

Já em sua operação na América do Norte, a Gerdau observou suas vendas crescerem 2,4% no primeiro trimestre do ano na relação anual, para 1,522 milhão de toneladas. A siderúrgica destaca que essa expansão ocorreu devido à melhora gradual do setor de construção não residencial. Na comparação com o último trimestre do ano passado, o aumento das vendas foi de 6,2%.

Já a produção da aço pela Gerdau nos três primeiros meses do ano ficou em 4,154 milhões de toneladas, recuo de 4,3% ante o visto um ano antes. Em relação aos últimos três meses do ano passado houve um aumento de 6,8% na produção de aço pela siderúrgica gaúcha.

Alavancagem

A alavancagem da Gerdau, medida pela razão de sua dívida líquida pelo Ebitda em dólar, foi para 4 vezes no primeiro trimestre do ano, ante 2,4 vezes no mesmo intervalo do ano passado. Esse indicador estava em 3,6 vezes no último trimestre de 2015.

A dívida líquida da Gerdau ao fim de março estava em R$ 18,159 bilhões, queda de 7% em relação ao observado no fim de dezembro. Em um ano, no entanto, a dívida líquida cresceu 4%. Já a dívida bruta no fim do primeiro trimestre deste ano estava em R$ 23,684 bilhões, recuo de 10,5% em três meses. Ante o observado um ano antes houve um aumento de 1,7%.

No fim do primeiro trimestre do ano, a Gerdau detalha que 10,4% da dívida bruta era de curto prazo e 89,6% de longo prazo. A dívida bruta era composta por 12,1% em reais, 82,2% em dólar norte-americano e 5,7% em outras moedas, conforme consta no relatório que acompanha o demonstrativo financeiro da companhia.

"A redução da dívida bruta em R$ 2,8 bilhões de dezembro de 2015 para março de 2016 ocorreu em função da variação cambial do período (apreciação da cotação final do real frente ao dólar norte-americano de 8,9% no 1T16), além de amortizações efetuadas durante o 1T16", explica a siderúrgica gaúcha.

O caixa da Gerdau no primeiro trimestre do ano era de R$ 5,525 bilhões, queda de 20% em relação ao anotado no fim de dezembro do ano passado. Na comparação com o primeiro trimestre de 2015, o caixa recuou 5,5%.

A Gerdau obteve um ganho financeiro de R$ 39 milhões no primeiro trimestre deste ano, ante uma perda de R$ 898 milhões no mesmo período do ano passado e de R$ 392 milhões no último trimestre do ano passado. "No 1T16 quando comparado com o 1T15, a variação do resultado financeiro ocorreu, basicamente, em função da variação cambial líquida positiva sobre os passivos contratados em dólar norte-americano", destaca a companhia no documento.

Fluxo de caixa livre

A Gerdau informou que o Ebitda obtido no primeiro trimestre deste ano foi "suficiente para honrar os compromissos de CAPEX, imposto de renda, juros da dívida e aumento de capital de giro, resultando ainda em uma geração de caixa livre positiva". O fluxo de caixa livre nos primeiros três meses do ano ficou em R$ 11 milhões.