22°
Máx
17°
Min

Vendas no varejo caem em 6 de 8 atividades em agosto ante julho, diz IBGE

(Foto: Divulgação) - Vendas no varejo caem em agosto
(Foto: Divulgação)

As vendas do comércio varejista caíram em seis das oito atividades pesquisadas em agosto ante julho, na série com ajuste sazonal, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A maior queda foi verificada na atividade de venda de equipamentos para escritório e informática, com tombo de 5,0% em agosto ante julho. Na contramão, as vendas nos supermercados, que representam o maior peso no varejo restrito, subiram 0,8%.

Na varejo ampliado, a venda de veículos tombou 4,8% em agosto ante julho. O IBGE também revisou a queda na venda de veículos em julho ante junho, de -0,3% para -1,4%, contribuindo para a revisão de -0,5% para -1,0% no varejo ampliado como um todo.

Indicadores de confiança

A recuperação dos indicadores de confiança ainda não se traduziu em vendas, afirmou a gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE, Isabella Nunes. Mais cedo, o IBGE anunciou que as vendas do varejo caíram 0,6% em agosto ante julho. Sobre agosto de 2015, a queda é de 5,5%.

A pesquisadora lembrou que as pesquisas de confiança medem a percepção sobre o futuro. "O futuro a Deus pertence", disse Isabella. Segundo o IBGE, em agosto, o volume de vendas no varejo ficou 12,9% abaixo do pico registrado em novembro de 2014. Isabella não vê elementos nos dados de agosto para afirmar que o pior já passou para o setor varejista.

Supermercados

A alta de 0,8% nas vendas dos supermercados em agosto ante julho, na contramão da queda de 0,6% no varejo restrito, foi um movimento de acomodação, explicou Isabella Nunes.

Segundo a pesquisadora, o quadro de inflação pressionada, desemprego em alta e juros elevados, que segue inibindo o consumo, leva as famílias a ajustarem seus orçamentos, adiando gastos, sobretudo com bens duráveis.

"As famílias evitam todo o consumo que podem postergar ou substituir. Daí sobram recursos para uma atividade que não dá para postergar, que é supermercado", afirmou Isabella, em entrevista coletiva.

De acordo com Isabella, esse movimento de acomodação ocorre desde maio. Como os dados divulgados hoje são de agosto, ainda não há nenhum efeito relacionado ao alívio da inflação, mais concentrado em setembro, disse a pesquisadora.

Isabella chamou atenção ainda para o fato de que, na comparação com agosto de 2015, as vendas dos supermercados caem 2,2%. É a atividade que mais contribuiu para o recuo de 5,5% nas vendas do varejo restrito nessa base de comparação.

"Embora tenha movimento de acomodação na margem, porque as famílias têm disponibilidade maior de recursos, na comparação com agosto de 2015, a queda é de 2,2%", disse Isabella.