23°
Máx
12°
Min

Após reunião com prefeitura, professores municipais podem entrar em greve

(Foto: Divulgação/Sismmac) - Professores municipais podem entrar em greve na semana que vem
(Foto: Divulgação/Sismmac)

A reunião realizada na tarde desta segunda-feira (25), na sede da Prefeitura de Curitiba, não agradou o Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal, que representa os professores da Rede Municipal de Ensino. Os trabalhadores agendaram uma assembleia e podem entrar em greve na semana que vem.

A categoria realizou uma manifestação em frente à prefeitura, protestando contra cortes, fechamento de turmas especiais e de bibliotecas e para pedir a contratação de novos professores. Depois da mobilização, o Sismmac conseguiu uma reunião com as secretarias de Recursos Humanos e Educação.

Para o diretor do sindicato, Gabriel Conte, o encontro, no entanto, não teve muitos avanços. “Muitas respostas vagas, mas poucas definições”, afirmou. Segundo ele, um dos maiores problemas está na necessidade de contratação de novos professores.

“Muitos se aposentaram e a prefeitura não repôs. Eles estão querendo cortar gastos sem contratar novos funcionários. Falam que foi feito um concurso, mas queremos saber quantos e quando eles serão contratados”, destacou.

A Prefeitura de Curitiba, por meio da assessoria de imprensa, informou que o concurso realizado já foi homologado e a prefeitura já tem autorização para contratar novos servidores, mas só o fará “quando considerar que for necessário”.

Outro ponto que foi discutido na reunião foi sobre o rompimento dos contratos do Regime Integral de Trabalho, que segundo a categoria vai resultar em uma carga maior nos profissionais da Rede Municipal de Ensino.

A Secretaria Municipal da Educação informou que os quadros estão completos e citou a dificuldade financeira passada pelo país para justificar os rompimentos dos contratos. Ainda de acordo com a administração municipal, está sendo realizado um “replanejamento” e outros servidores – como por exemplo os que atuam com restrições médicas – poderão assumir a função dos RIT’s.

Gabriel Conte ainda destacou o único ponto que, segundo ele, pode ser considerado positivo do encontro na tarde desta segunda. “A secretária garantiu que as bibliotecas vão continuar abertas.” No entanto, ele falou que o anúncio não foi totalmente satisfatório. “Vão ser funcionários administrativos a partir de agora, o que vai acabar interrompendo atividades pedagógicas que eram realizadas nas bibliotecas. É uma perda muito grande”, ressaltou.

Já a Secretaria afirmou que não haverá encerramento de atividades, que os projetos já existentes vão continuar e que as bibliotecas voltarão ao funcionamento normal com o início das aulas na Rede Municipal, programada para esta terça-feira (26).

Por fim, a Prefeitura explicou o encerramento de diversas turmas para crianças com necessidades especiais. Segundo a administração, alunos de algumas dessas turmas foram reclassificados e incluídos no ensino regular. Com isso, algumas turmas foram fechadas e os alunos remanescentes foram reorganizados em novas classes.

Para o sindicato, a situação é complicada tantos para os alunos como para os professores. “Além de ser um ato desrespeitoso com os alunos, professores que dedicaram suas carreiras à educação especial são pressionados a assumirem outras funções”, afirmou, em nota publicada nas redes sociais.

Com tudo isso, a categoria decidiu agendar uma assembleia com indicativo de greve na próxima terça-feira (2). “Como eles estão tentando justificar sem responder nada, vamos aumentar a mobilização”, destacou Gabriel Conte. Até o dia da assembleia, novas reuniões entre a categoria e a Prefeitura de Curitiba devem ser realizadas.