27°
Máx
13°
Min

Aumenta a diferença da nota entre alunos pobres e ricos

(Foto: Estadão Conteúdo) - Aumenta a diferença da nota entre alunos pobres e ricos
(Foto: Estadão Conteúdo)

A diferença de desempenho no Enem entre as escolas ricas e pobres do País aumentou entre 2014 e o ano passado. O intervalo que separa os dois grupos passou de 58,6 pontos para 98,9 pontos entre as duas edições, se considerada a média das provas objetivas (Matemática, Linguagens, Ciências da Natureza e Ciências Humanas).

A reportagem fez o recorte separando as escolas públicas e privadas em dois grupos: um deles é o de nível socioeconômico alto e muito alto. O outro é o de nível socioeconômico baixo e muito baixo. Desde 2014, o Ministério da Educação separa as escolas em sete níveis socioeconômicos distintos, levando em conta o perfil dos alunos que frequentam a unidade.

Esse abismo entre ricos e pobres voltou ao patamar de 2013. Naquele ano, a diferença entre eles foi de 100,8 pontos.

Pesquisas já mostraram que a situação social do aluno é um dos fatores que mais pesam na nota. Jovens pobres, além de terem mães pouco escolarizadas, têm pouco acesso a bens culturais, o que reforça sua condição.

Análise do Instituto Alfa e Beto mostra que existe um ganho de nota entre cada um dos sete níveis socioeconômicos. A diferença entre os extremos é de 145 pontos. O maior ganho é na passagem do nível alto para o muito alto (50 pontos).

O cruzamento dos dados também mostra que matricular o filho em uma escola privada não é garantia de melhor resultado. A diferença entre escolas públicas e privadas entre grupos sociais iguais é pequena.

Nas escolas públicas ricas (níveis socioeconômicos alto e muito alto), a média de nota nas provas objetivas foi de 522,2 pontos. Já nos colégios privados do mesmo grupo, a nota foi apenas 2,1 pontos maior. A situação também se repete em outros níveis.

Desigualdades

Para a presidente do Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais (Inep), Maria Inês Fini, a diferença de desempenho entre escolas ricas e pobres reflete um problema estrutural do País. Além do nível socioeconômico, a baixa qualidade de colégios mais pobres explica a diferença. "São da periferia, muitos deles em condições de existência, de estrutura física, bastante vulnerável." Segundo ela, a reforma do ensino médio deve ajudar a resolver esse problema. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.