22°
Máx
16°
Min

Espaço coletivo de trabalho impulsiona aprendizado de iniciantes na vida profissional

Foto: Assessoria - Espaço coletivo de  trabalho impulsiona aprendizado de iniciantes na vida profissional
Foto: Assessoria

O início da vida profissional é tumultuado, difícil, árduo. As dúvidas preenchem a cabeça de quem está apenas começando a carreira. E a forma mais eficiente de abolir esses medos é buscando, desde os primeiros momentos da formação, um estágio: aliando os estudos com a prática da profissão. O que não falta no Cais Coworking, escritório coletivo de Cascavel, são estudantes sedentos por conhecimento e experiências.

Entre as mais diversas empresas instaladas no Cais, são 10 estagiários que têm a oportunidade de trabalhar na área e aprender mais sobre outros ramos também. “Quando um estagiário trabalha numa empresa dentro de um ambiente coletivo ele também aprende o conceito do compartilhamento, a importância de dividir e absorve conhecimento sobre outras atividades que acontecem no mesmo espaço.  Mesmo sendo de uma área específica, o estudante tem a chance de conhecer desde o que é empreendedorismo, até técnicas de publicidade e comunicação já que convive com profissionais desses segmentos”, explica Cláudia Frantiozi, idealizadora e administradora do Cais Coworking, reforçando que os cursos, oficinas, palestras e treinamentos são mais um complemento.

Em um dos quatro escritórios arquitetônicos do Cais, trabalha Wellington Kusma Cruz, estudante que desde 2014 está inserido no universo de coworking. “Como são muitos profissionais, e cada um oferece um ‘produto’, você acaba desfrutando disso. Um curso de oratória, por exemplo, se eu não estivesse aqui no Cais, nunca ia entender porque isso é relevante. Você nota a importância das outras áreas para complementar a sua e se motiva a aprender sempre mais”, conta Wellington, explicando que teve outros benefícios como melhorar a forma de se relacionar e perder a timidez.

Quem contrata também vê vantagens. Roni Marcos Frantiozi, responsável pela Z4 Projetos e Construções, acredita que o Cais dá ainda mais suporte para que os empresários aproveitem o potencial dos estudantes. “Se você tem um escritório com um estagiário ou dois, eles ficam em ambiente fechado. Se tem dúvidas, só conseguem tirar com o profissional que os orienta ou pesquisando na internet. No caso do espaço coletivo, temos este proveito: o meu estagiário pode tirar dúvidas com outros profissionais do Cais”, detalha Roni.

Um bom exemplo do quanto essa experiência coletiva pode ser benéfica é o caso do arquiteto Felipe Tomasetto, que começou estagiando em uma empresa do Cais e hoje tem seu próprio estúdio dentro do espaço coletivo, a Vigore Arquitetura. Um modelo a ser seguido pelos mais novos, como Felipe Gomes, estagiário de publicidade na agência Caixote Marketing Estratégico há três meses. 

“Eu sou muito de escutar e observar, então tem muitos coworkers que acompanho e admiro pela postura. Vou assimilando o conhecimento deles e isso me ajuda a formar meu perfil profissional”.

Colaboração: Contelle Assessoria