21°
Máx
17°
Min

Fazenda Rio Grande tem o 4º ensino mais eficaz do Paraná

Fazenda Rio Grande é o quarto município no Paraná que melhor investe seus recursos na Educação. Segundo relatório divulgado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-PR), o município tem as melhores eficácias na Aplicação dos recursos e também em Despesas. Recentemente Fazenda Rio Grande recebeu premiações pela gestão na Educação, além de melhorar seus índices no Ideb, que mede a excelência e a qualidade do ensino no país.

O prefeito Marcio Wozniack credita isso à gestão “transparente” que vem sendo realizada. “A participação das pessoas ligadas ao setor na gestão dos recursos tem sido importante para alcançarmos esses bons resultados”, disse.

O Secretário de Educação, Esporte e Cultura, Professor Ednelson Sobral, ressaltou as decisões tomadas pela gestão como fundamentais para os resultados positivos. “Isso foi possível graças à filosofia de gestão democrática que adotamos, aplicamos apenas no que é necessário e que esteja voltado legitimamente para a Educação. Sem dúvidas temos que comemorar mais esta conquista da Educação da nossa cidade”, disse.

Para o Secretário, vale ressaltar a diferença de recursos direcionados aos alunos e a eficiência na qualidade de ensino.

Segundo o próprio TCE-PR , “uma das conclusões do estudo é de que a aplicação de um grande volume de recursos em educação não impacta, necessariamente, no atingimento das metas dos dois planos de educação”, informa o Tribunal, por meio da assessoria.

O principal exemplo disso é Itaipulândia. Com a maior despesa por aluno em 2014 entre os 388 avaliados (R$ 11.834,93 contra R$ 3.772,00 de Fazenda Rio Grande), esse município da região Oeste obteve, contraditoriamente, o menor índice de eficiência do gasto e atingiu, em média, apenas 76,1% das metas.

Eficácia da educação

No Índice de Eficácia da Educação Municipal, os quesitos avaliados foram: educação infantil (percentual de crianças com até cinco anos matriculados na escola); adequação idade-série (percentual de alunos das séries iniciais do ensino fundamental com idade adequada àquelas séries); ensino integral (percentual de alunos que estudam em tempo integral); qualidade do ensino (nota das séries iniciais do ensino fundamental no Ideb); estrutura das escolas (percentual de estabelecimentos com estrutura física adequada) e formação de professores (percentual de docentes com nível superior).

De acordo com metas que deveriam ser obtidas, os municípios receberam notas entre 0 e 1. Esse último número significa que o ente público atingiu as metas dos planos nacional e estadual de Educação.

Eficiência da despesa

Para obter o Índice de Eficiência da Despesa Municipal em Educação 2014, os técnicos do TCE-PR confrontaram o índice de eficácia com a despesa por aluno naquele ano. Esse levantamento levou em conta o investimento por aluno realizado por 388 municípios do Estado – 11 foram excluídos da amostra porque não haviam enviado, até fevereiro deste ano, os dados consolidados de 2014.

O índice de eficiência foi calculado a partir da comparação do índice de eficácia municipal com a despesa corrente liquidada por aluno. A comparação utilizou a “análise envoltória de dados”, técnica matemática empregada na engenharia da produção e nas ciências econômicas para estimar a eficiência de unidades produtivas e do gasto público. A comparação resulta em um índice, que varia de 0 a 1. Quanto mais próximo de 1, mais eficiente tende a ser a unidade avaliada.

Colaboração Assessoria de Imprensa.