27°
Máx
13°
Min

Incubadora de Escritórios de Advocacia orienta estudantes a gerirem seus próprios negócios

(Foto: Divulgação / Assessoria de Imprensa) - Incubadora de Escritórios de Advocacia orienta estudantes a gerirem seus próprios negócios
(Foto: Divulgação / Assessoria de Imprensa)

Como objetivo de revolucionar a área jurídica e atrair novos talentos, o curso de graduação em Direito da Universidade Positivo (UP), em parceria com o Instituto Internacional de Gestão Legal (IGL), desenvolveu, em Curitiba (PR), a Incubadora de Escritórios de Advocacia. O projeto proporciona treinamento intensivo e inovador para alunos da UP. “Esse projeto é voltado para o desenvolvimento de equipes que atuam em áreas inovadoras do Direito, com visão moderna de profissionalização e liderança”, afirma Thais Lunardi, coordenadora do Núcleo de Práticas Jurídicas da UP.

As equipes são formadas por cinco alunos de graduação (a partir do nono período) ou pós-graduação na área de Direito. A avaliação é bem criteriosa: todos os inscritos participam da fase de “pré-incubação”, que dura três meses. Ao fim do período, as equipes apresentam seus projetos de negócios para uma banca de professores e profissionais de mercado, que escolhe qual equipe será incubada por um ano. Ao final dos 12 meses, os estudantes saem da incubadora com a opção de continuar sozinhos o projeto ou serem absorvidos por escritórios já estabelecidos. Os alunos ainda são convidados a colaborar com a incubadora, como título de alumni, orientando as próximas equipes contempladas pelo projeto.

A ideia surgiu para oferecer aos alunos de Direito uma alternativa profissional.“Percebemos que a maioria dos alunos de graduação escolhem a área jurídica como objetivo de serem juízes, promotores ou delegados. Por isso, nossa ideia é abrir a visão e mostrar que existem outras áreas do Direito a serem exploradas”, explica Lunardi. “Tenho um orgulho imenso de contribuir com o projeto e espero que possamos, no futuro, ter Gestão Legal como disciplina obrigatória em todos os cursos de Direito do país”, complementa Deise Warken, diretora executiva do IGL.

O projeto colocado em prática

Um dos alunos incubados foi André Vinícius Campos, que sempre sonhou em ter seu escritório de advocacia e reconhece a Incubadora de Escritórios de Advocacia como uma facilitadora de seu sonho. “Foi uma excelente oportunidade participar desse projeto. Minha ideia anterior sobre como abrir um escritório mudou muito depois de todas as orientações. Hoje, estamos abrindo nosso escritório com uma estrutura profissional, com foco no mercado atual e bem mais seguros de nossas ações”, comenta Campos. Com essa contribuição, alunos egressos da Incubadora de Escritórios de Advocacia estão abrindo um escritório de advocacia focado em agronegócio, segmento que apresenta escassez jurídica. “O projeto passou a ganhar forma e o escritório entrou no mercado com um conceito totalmente novo na advocacia, com profissionais altamente especializados em Direito do Agronegócio”, constata Elvis Antonio Felipe, aluno que participou do projeto.

Os participantes recebem orientações e treinamentos necessários para entender o mercado, atender clientes e prestar os serviços adequadamente. Um mentor e uma comissão de apoiadores fazem a supervisão e passam conhecimentos para a equipe. Grandes nomes já participaram da iniciativa, como Mario Esequiel, gestor do escritório Mattos Filho, e até mesmo pessoas de outras áreas do conhecimento.  Alunos de Psicologia também contribuíram com o projeto, aplicando atividades que ajudaram na formação das equipes. “A incubadora traz uma perspectiva ampla e engrandecedora do mundo do Direito. Ao viver esse projeto, os alunos estão mais capacitados a entrar nesse concorrido mercado, além de saírem mais motivados a lutarem pelos seus sonhos, mantendo seus ideais fortalecidos mesmo quando os desafios aparecem. É uma experiência única que pode transformar suas vidas, despertando novas consciências sobre o papel do advogado”, afirma Deise Warken.

Manoel Knopfholz, diretor do Núcleo de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas da UP, acredita que os alunos são preparados para empreender e ter a noção da estratégia de trabalho. “A incubadora é uma imersão do profissional de Direito na área de gestão e que favorece um aprofundamento do empreendedorismo. Nesse intuito, disponibilizamos um incentivo financeiro que deve ser visto como um empréstimo e valorização do aluno para a prática do projeto, sempre enfatizando o mérito como um dos ensinamentos da instituição”, ressalta.

Colaboração Assessoria de Imprensa