24°
Máx
17°
Min

Paralisação suspende aulas nas escolas estaduais

Foto: Assessoria - Paralisação suspende aulas nas escolas estaduais
Foto: Assessoria

Nesta terça-feira, 30, os profissionais da educação promovem o Dia de Luto e de Luta em Defesa da Educação, com atividades públicas e suspensão das atividades pedagógicas nas escolas da rede estadual. 

A APP-Sindicato/Foz, entidade que representa educadores de nove municípios da microrregião Oeste, realizará ato público na Praça do Mitre, às 9 horas, e plenárias simultâneas da educação, às 15 horas, na Câmara de Vereadores das cidades de Foz do Iguaçu, Medianeira, Matelândia e Itaipulândia.

O sindicato estima que a atividade paralisará a maioria das escolas, a exemplo do que acontece todos os anos. Em 30 de agosto, professores e agentes educacionais relembram a repressão violenta sofrida pela categoria em 1988, em frente ao Palácio Iguaçu, em Curitiba. 

Na ocasião, o então governador determinou à PM (Polícia Militar) o uso da força contra os educadores. A violência policial teve cães, cavalos e agressões com bombas e cassetetes. Enquanto eram atacados, os servidores entoavam o hino nacional.

Além de manter viva a memória de resistência da categoria, o 30 de agosto também é utilizado para cobrar do governo o cumprimento da pauta trabalhista e educacional. Segundo a APP-Sindicato/Foz, o Governo do Paraná deve aos educadores cerca de R$ 300 milhões em progressões e promoções e até o momento não demonstrou disposição para dialogar sobre a Campanha Salarial 2016. Para agravar, o governo anunciou que não fará a reposição salarial, item que consta do acordo para o fim da greve de 2015.

“O 30 de agosto é uma data importante para os educadores, pois é o símbolo de décadas de luta da categoria”, diz Fabiano Severino, presidente da APP-Sindicato/Foz. “Neste dia, valorizamos o esforço coletivo de inúmeros colegas em defesa da escola pública e cobramos o governo estadual por investimentos e valorização dos servidores, única forma de garantir a oferta de educação de qualidade aso adolescentes e jovens paranaenses”, complementa o diretor do sindicato.

Plenárias da educação

Além do ato público na Praça do Mitre, este ano a APP-Sindicato promove quatro encontros abertos para toda a comunidade, como forma de ampliar o debate sobre os problemas e perspectivas da educação pública no Paraná. 

As plenárias da educação concentram educadores, alunos, pais e a população em geral de nove cidades da região. Os eventos acontecem simultaneamente nos polos municipais de Foz do Iguaçu, Medianeira, Matelândia e Itaipulândia, no plenário da Câmara de Vereadores de cada cidade.

“As plenárias são momentos para dialogarmos com a comunidade e com a categoria, para apresentarmos as reais condições de trabalho nas escolas e as medidas dos governos que pretendem retirar direitos, restringir recursos para a educação e privatizar o ensino”, expõe Diego Valdez, secretário de Funcionários da APP-Sindicato/Foz. Valdez explica que o sindicato iniciou o Movimento Permanente pela Garantia dos Direitos dos Trabalhadores da Educação e que em setembro acontece a paralisação estadual, quando será deliberada sobre a greve da educação.

Agenda 30 de agosto

  • 09h – Ato público na Praça do Mitre, em Foz do Iguaçu, com o início do Movimento Permanente Pela Garantia dos Direitos dos Trabalhadores da Educação
  • 15h – Plenárias regionais simultâneas na Câmara de Vereadores dos polos municipais de Foz do Iguaçu, Medianeira, Matelândia e Itaipulândia

Colaboração: Assessoria de imprensa