23°
Máx
12°
Min

Professores de Foz fazem assembleia para discutir greve

Educadores das escolas estaduais de Foz do Iguaçu e região participam da Assembleia Estadual da APP-Sindicato, neste sábado (17), em Curitiba. O encontro definirá as próximas mobilizações da categoria, incluindo a proposta de paralisação das atividades por tempo indeterminado. 

Em estado de greve desde 25 de junho, professores e funcionários cobram do Governo do Estado o pagamento de dívidas em atraso e a negociação sobre a pauta da educação.

A APP-Sindicato/Foz mobiliza os servidores das nove cidades de abrangência do Núcleo Sindical de Foz do Iguaçu para a reunião do Conselho Regional e a Assembleia Regional. O objetivo é avaliar o cenário e definir uma posição coletiva da base, a ser apresentada durante o encontro estadual, na capital do estado. 

O presidente da APP-Sindicato/Foz, Fabiano Severino, afirma que "o cenário é de cortes na educação e saúde". Segundo ele, "as medidas adotadas pelo Governo podem comprometer o funcionamento da escola pública e formação da juventude".

Reivindicações

A categoria reivindica o pagamento das progressões e promoções e o concurso para a contratação de servidores. Reclama da carência de investimentos na infraestrutura e em programas educacionais para melhorar as condições de ensino e aprendizagem e o comprometimento da oferta da merenda escolar.

Severino diz que o Governo acaba de suspender o pagamento do período noturno para as licenças de educadores e consignou falta pela paralisação de 30 de agosto.

A categoria critica, ainda, o pacote formado pelo PL 241, a PEC 257 e as reformas previdenciária e trabalhistas. Conforme o sindicato, as medidas vão permitir que o governo economize recursos para o pagamento da dívida pública com instituições financeiras ao custo de um grande retrocesso social e trabalhista.

Outro lado

Por meio de nota, o Governo do Estado disse que mantém diálogo aberto e "vem fazendo todos os esforços para efetuar o pagamento das promoções e progressões, conforme a disponibilidade orçamentária. Em relação à mobilização do dia 30 de agosto, o governador do Estado permitiu que seja feita a reposição das aulas".

Colaboração: Assessoria.