21°
Máx
17°
Min

Projeto da Unila que presta assessoria financeira ganha postos fixos para atendimento à população

Foto: Divulgação - Projeto da Unila que presta assessoria financeira ganha postos fixos
Foto: Divulgação

Em tempos de recessão, a educação financeira ganha ainda mais importância como forma de melhorar o orçamento pessoal e familiar. É com o objetivo de ajudar a quem está em dificuldades financeiras que o projeto de extensão da UNILA “Desmistificando a análise econômico-financeira pessoal: uma assessoria econômico-financeira à comunidade de Foz do Iguaçu”, chega ao seu quarto ano. No total, já foram atendidas, aproximadamente, 7 mil pessoas direta e indiretamente.

Além de palestras em escolas da cidade e distribuição de cartilhas, os integrantes do projeto também prestam assessoria financeira gratuita e sigilosa. Neste ano, graças a parcerias, o projeto ganhou dois espaços fixos para o atendimento à comunidade: na Guarda-Mirim (Rua Tadeu Trompschinski, 56 – Centro), às terças e sextas, das 9h às 12h; e na Livraria Kunda (Rua Almirante Barroso, 1473 - Centro), aos sábados, das 9h às 13h.

O professor do curso de Ciências Econômicas – Economia, Integração e Desenvolvimento da UNILA, Wolnei Carvalho, que coordena o projeto, informa que interessados, como escolas, empresas e órgãos públicos, também podem solicitar atendimento. Basta escrever para o e-mail assessoriaunila@gmail.com

As cartilhas, elaboradas pelos integrantes do projeto e com versões em português e espanhol, são distribuídas em eventos e estabelecimentos comerciais populares, tais como farmácias, cafés e supermercados de Foz do Iguaçu, Ciudad del Este e Puerto Iguazú. “Com o apoio da Guarda Municipal e, também, da Receita Federal e Ministério do Trabalho, estamos nos aproximando mais da comunidade”, diz o coordenador.

Juros e dívidas

Carvalho lembra que é preciso atenção especial às taxas de juros: no cartão de crédito, os juros chegam a 450% ao ano e, no cheque especial, a 250% ao ano. “Muitas pessoas não se atentam a isso. Os juros têm um efeito ampliado sobre o endividamento das famílias. Além de orientar as pessoas no sentido de prestarem atenção nas dívidas, também mostramos qual a melhor forma de endividamento”, diz. 

Dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), apurada mensalmente pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), relativos aos meses de junho dos últimos três anos, mostram que, apesar da queda no percentual de famílias endividadas, o índice das que estão em atraso ou que declararam não ter condições de pagar as dívidas aumentou.

Com a educação financeira, explica Carvalho, espera-se levar aos trabalhadores, principalmente, formas de otimizar os gastos cotidianos: moradia, alimentação, transporte, cuidados pessoais, saúde, vestuário, estudos e lazer, entre outros. 

“A educação financeira contribui de maneira significativa na medida em que a própria administração e contratação de novas dívidas passam a ser efetuadas de forma mais racional”, avalia.

Na cartilha, o leitor é apresentado a tabelas e planilhas, usadas para detalhar as receitas e despesas mensais fixas e variáveis. Uma das tabelas auxilia o controle de dívidas parceladas, como as de cartão de crédito, carnês e financiamentos. Também há dicas para a economia de água, energia e nas compras do supermercado.

Colaboração: Assessoria de imprensa